SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Governo abre novo edital para quem quer estudar de graça na Austrália

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 15/10/2013 18:34

O governo federal, através do programa Ciência sem Fronteiras, que concede bolsas de estudos, inicia a partir desta quarta-feira (16/10) as inscrições para estudantes que queiram cursar um ano de sua graduação em universidades australianas, a chamada "graduação sanduíche". O programa é voltado para estudantes de áreas como engenharia, tecnologia e ciências e irá cobrir gastos como moradia, passagens, material didático, seguro saúde, curso de inglês quando necessário e um ano de graduação.

A Australian Centre, empresa representante no Brasil do grupo Australian Technology Network of Universities (ATN) de universidades australianas conveniadas ao programa Ciência Sem Fronteiras, explica que, a partir do programa, os estudantes brasileiros terão a oportunidade de estudar em algumas das mais conceituadas universidades australianas, todas elas membros do ATN e reconhecidas pela atuação inovadora e por manterem conexão direta com o mercado de trabalho.

“Os estudantes brasileiros foram brindados com a entrada do grupo ATN no programa Ciência sem Fronteiras, pois terão a oportunidade de estudar em algumas das universidades mais inovadoras no mundo e todas elas com estreita relação entre educação e mercado de trabalho. Quando retornarem ao Brasil, estes estudantes serão profissionais com uma excelente experiência internacional e poderão aplicar na prática os conhecimentos adquiridos no exterior”, afirma Vinícius Barreto, diretor da Australian Centre.

Cinco universidades australianas compõem o Australian Technology Network of Universities (ATN), todas elas reconhecidas por estarem entre as melhores do mundo nas áreas de engenharia, tecnologia da informação, sustentabilidade, design, arquitetura e ciências. Além da qualidade de ensino, essas universidades se destacam por suas fortes parcerias com a indústria e governo.

Pré-requisitos para inscrição

- Ser brasileiro ou naturalizado;
- Estar regularmente matriculado em instituição de ensino superior no Brasil em cursos relacionados às áreas prioritárias do Ciência sem Fronteiras;
- Ter sido classificado com nota do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) com no mínimo 600 pontos, em exames feitos entre os anos de 2009 a 2013. Caso o candidato tenha realizado mais de um exame durante este período será considerado o de maior pontuação, segundo informação prestada pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP);
- Possuir bom desempenho acadêmico;
- Ter integralizado no mínimo 20% e, no máximo, 90% do currículo previsto para seu curso, no momento do início previsto da viagem de estudos;
- Não ter sido contemplado com bolsa de graduação sanduíche no exterior, financiada no todo ou em parte, pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) ou pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq);
- Proficiência em inglês TOEFL, IBT ou IELTS. Caso o estudante não tenha estas certificações, ele poderá solicitar também uma bolsa para realizar até 25 semanas de curso de inglês e, em seguida, começar a sua graduação sanduíche;

Sobre a inscrição


Atendendo aos pré-requisitos e com os resultados dos testes de proficiência em inglês em mãos, o estudante deverá se inscrever no site do Ciência sem Fronteiras. Uma vez aprovado, a Australian Centre entrará em contato com o estudante para orientar a respeito do processo de matrícula nas universidades do grupo ATN. Nesta etapa o estudante escolherá as matérias que irá cursar e providenciará documentação.

Após essa etapa, o candidato receberá a carta de oferta da universidade para a qual foi direcionado. Com a carta de oferta assinada, o estudante receberá a confirmação de sua matrícula na universidade. Ele utilizará este documento para solicitar seu visto e finalizar seu processo. A Australian Centre fará a orientação em todas as etapas.
Tags:

publicidade

publicidade