SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Revista Foreign Policy apoia candidatura de Hillary Clinton

A revista também critica Trump por falar de forma tão displicente sobre o uso de armas nucleares

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 10/10/2016 10:26

France Presse

Washington, Estados Unidos - A revista Foreign Policy (FP), uma prestigiosa publicação americana, anunciou seu apoio à democrata Hillary Clinton, e classificou o republicano Donald Trump como "o pior candidato de um dos principais partidos na história dos Estados Unidos".

Em seu primeiro apoio declarado a um candidato presidencial, a revista assinala em seu editorial que "os editores da FP rompem com sua tradição para apoiar Hillary Clinton como próxima presidente dos Estados Unidos". "A lista de motivos pelos quais Trump representa uma grande ameaça é tão longa que, de fato, é alarmante que seja candidato à presidência de um dos principais partidos do país", acrescentou.

"O recente furor por seu vil comportamento em relação às mulheres ilustra a extraordinária natureza de sua falta de idoneidade, como também demonstra o repúdio de tantos membros de seu próprio partido", destaca. A Foreign Policy afirma que Trump não está classificado para liderar a comunidade internacional como presidente dos Estados Unidos, "pois demonstrou inúmeras vezes sua ignorância na maioria dos temas básicos dos assuntos internacionais".

A revista também critica Trump por falar de forma tão displicente sobre o uso de armas nucleares. "Fica claro que compreende muito pouco, se compreende algo, sobre as políticas nucleares dos Estados Unidos, sem mencionar as consequências morais, legais e humanas de tais ações". "De fato, não somos os primeiros a dizer isso, mas Trump é o pior candidato de um dos principais partidos na história dos Estados Unidos".

Leia mais notícia sem Mundo

Por outro lado, classificam Hillary Clinton de "candidata de qualidade" e preparada para liderar. "Caso seja eleita a primeira mulher à presidência, não será apenas histórico e enviará um importante sinal sobre a inclusão, como o compromisso dos americanos em eleger candidatos que se distingam por seus mérito, como também assumirá o poder já tendo derrotado uma grande ameaça para os Estados Unidos: a grotesca e perturbadora possibilidade de Donald Trump na presidência", conclui a revista.

publicidade

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.

publicidade