SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Pesquisa revela que justiça alemã empregou muitos nazistas no pós-guerra

Em 1953, ao menos 72% dos juízes da Suprema Corte federal de Karlsruhe (sudoeste), a maior jurisdição alemã, haviam atuado durante o nazismo, um número que chegou a 80% em 1962

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 10/10/2016 11:05

France Presse

Berlim, Alemanha - Um relatório encomendado pelo governo alemão e publicado nesta segunda-feira (10/10) revela o funcionamento da justiça da Alemanha Ocidental no pós-guerra, que continuou durante décadas empregando funcionários que já atuavam sob o III Reich, em proporções muito maiores em relação ao que era conhecido até agora.

"A quantidade de (ex-) membros do NSDAP (Partido Nacional-Socialista dos Trabalhadores Alemães) dentro do ministério da Justiça não baixou depois da guerra como se supunha, e aumentou nos anos 1950", indicou ao jornal Süddeutsche Zeitung Christoph Safferling, que codirigiu o estudo, cujo relatório é apresentado nesta segunda-feira pelo ministro da Justiça, Heiko Maas.

Em 1957 se alcançou o apogeu, quando 77% dos diretores da administração judicial eram ex-membros do NSDAP, segundo os resultados deste estudo intitulado "Expediente Rosenburg", pelo nome do edifício que abrigou desde 1950 o ministério da Justiça em Bonn (oeste), então capitão da República Federal Alemã.

Sabia-se que a Alemanha Ocidental havia recorrido a ex-nazistas para exercer funções públicas, mas a proporção - quase oito diretores em cada dez - é uma novidade, segundo Safferling. "Não acreditávamos que o número fosse tão alto", reconheceu o historiador. Também contrasta com os estudos similares no ministério do Interior ou de Relações Exteriores, nos quais a proporção não foi tão grande.

Das 170 pessoas que entre 1949 e o início dos anos 1970 ocuparam cargos de direção no ministério, 90 pertenceram ao NSDAP, detalhou na rádio pública Deutschlandfunk Sabine Leutheusser-Schnarrenberger, ex-ministra da Justiça, que encomendou o estudo em 2012. Nenhum destes funcionários ativos durante a ditadura nazista expressou arrependimento e se justificam, segundo Safferling, explicando que aplicaram o direito em vigor na época, às vezes "evitando o pior" permanecendo em seus postos.

- Um freio à justiça -
Segundo Leutheusser-Schnarrenberger, 34 destes diretores pertenceram inclusive às milícias SA (paramilitar), as seções de assalto do partido nazista. A presença maciça dos ex-nazistas é explicada, segundo ela, pela necessidade de recorrer a funcionários experientes para reconstruir o aparato judicial. Um argumento "pouco convincente" para Safferling: o ministério da Justiça tinha a possibilidade de contratar jovens juristas da nascente RFA, fundada em 1949, diplomados depois da queda do III Reich, ou inclusive contratar juristas antinazistas exilados e que retornaram à Alemanha após a derrota de Hitler, estimou.

Outra explicação é que os Aliados, que haviam fixado como prioridade a "desnazificação" do país na imediata pós-guerra, foram obrigados a modificar a prioridade ante a necessidade de reconstruir um país em ruínas para enfrentar o bloco comunista. Este último fator tornou necessária a contratação de funcionários formados, embora eles tenham trabalhado no aparato estatal nazista.

Leia mais notícias em Mundo

A consequência desta orientação foi a lentidão da justiça no pós-guerra para julgar os crimes cometidos durante o regime de Hitler. Por isso, nos últimos anos os julgamentos por estas causas se multiplicaram, mais de 7 décadas depois da queda do III Reich. "Os juristas da época nazista continuaram acobertando" as injustiças do passado e protegendo seus ex-companheiros, denunciou Heiko Maas, para quem é evidente que estes funcionários do ministério "se dedicaram a fazer com que os crimes nazistas não chegassem aos tribunais".

Além dos responsáveis que exerceram funções no ministério, o corpo de magistrados alemães também esteve constituído principalmente por ex-nazistas: em 1953, ao menos 72% dos juízes da Suprema Corte federal de Karlsruhe (sudoeste), a maior jurisdição alemã, haviam atuado durante o nazismo, um número que chegou a 80% em 1962, escreveu em 2012 o semanário Der Spiegel.

publicidade

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.

publicidade