SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Santos prorroga cessar-fogo com Farc na Colômbia até 31 de dezembro

"Que fique claro: isto não é um ultimato, nem uma data-limite, mas espero que todo esse processo para ter um novo acordo termine muito antes", disse o presidente

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 13/10/2016 22:43 / atualizado em 14/10/2016 00:00

France Presse

O presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos, anunciou nesta quinta-feira (13/10) ter prorrogado o cessar-fogo com as Farc até 31 de dezembro, embora tenha assegurado que espera encontrar antes dessa data uma saída para "ter um novo acordo" de paz com a guerrilha.


"Tomei a decisão de prorrogar o cessar-fogo bilateral até 31 de dezembro. Que fique claro: isto não é um ultimato, nem uma data-limite, mas espero que todo esse processo para ter um novo acordo termine muito antes", disse o presidente em discurso televisionado.

Depois do resultado contrário nas urnas, o presidente havia dito que o cessar-fogo se manteria até 31 de outubro.

Santos teve novas reuniões com a oposição e com representantes da sociedade para buscar saídas para a crise política gerada no país, depois que o acordo firmado com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) foi rejeitado em um plebiscito.

As Farc criticaram a data-limite de Santos, mas confirmaram sua disposição em continuar buscando soluções negociadas em meio à trégua bilateral.

 

Leia mais notícias em Mundo

 

"Um dos estudantes (em uma das reuniões) me lembrou que, neste momento, no Exército e na guerrilha, há jovens à espera do que vai acontecer, esperando não ter de voltar a atirar. Por essa razão e a pedido desses jovens, tomei a decisão", explicou.

"Vamos conseguir. Vamos conseguir terminar para sempre com a violência, com o retorno dos deslocados para seus lares (...) Não podemos perder essa oportunidade", insistiu.

Na tentativa de encontrar uma saída para o impasse atual, além de se reunir com o ex-presidente e senador Álvaro Uribe, um ferrenho opositor aos acordos e principal defensor do "não" no referendo, Santos já teve encontros com outros ex-presidentes, como Andrés Pastrana e Ernesto Samper, com líderes religiosos e com vítimas do conflito armado.

Pastrana apresentou nesta quinta-feira um documento com propostas para modificar o acordo, que incluem determinar os custos de sua aplicação, um limite de tempo para a justiça de transição e que o narcotráfico não possa ser considerado um crime político, entre outras.

Uribe também recebeu no palácio da Presidência o secretário-geral da OEA, Luis Almagro, o qual pediu às lideranças políticas da Colômbia que se comprometam com alcançar uma "solução rápida e urgente" para implementar o acordo de paz com as Farc.

publicidade

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.

publicidade