SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Entrada ilegal de crianças pela fronteira sul dos EUA aumentou em 2016

O número total de pessoas detidas na fronteira chegou a 408.870, um aumento de 23% em relação às 331.333 pessoas detidas no ano anterior

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 17/10/2016 13:06

France Presse

Washington, Estados Unidos - O número total de crianças sem companhia de adultos que entraram na fronteira sul dos Estados Unidos aumentou 49% no ano fiscal de 2016 em relação ao período anterior, segundo dados divulgados nesta segunda-feira por Jeh Johnson, secretário de Segurança Interna.

De acordo com os números divulgados por Johnson, no período compreendido entre outubro de 2015 e setembro de 2016 foram interceptadas na fronteira 59.692 crianças sem a companhia de adultos, contra 39.970 menores no ano fiscal 2014-2015. Já o número total de pessoas detidas na fronteira chegou a 408.870, um aumento de 23% em relação às 331.333 pessoas detidas no ano anterior.

Este número "representa um aumento sobre o ano fiscal 2015, mas é inferior aos anos fiscais de 2014 e 2013, e uma fração do número de detenções observada de forma rotineira dos anos 1980 até 2008", afirmou Johnson em uma nota oficial. O funcionário lembrou que "em 2014 os detidos centro-americanos na fronteira sul foram pela primeira vez mais numerosos que os detidos mexicanos. Em 2016, isso voltou a acontecer".

Leia mais notícias em Mundo

Este aumento no número de pessoas, especialmente centro-americanos, que buscam entrar clandestinamente nos Estados Unidos, ocorre apesar do esforço feito por Washington e por seus aliados na América Central de conter este fluxo humano.

publicidade

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.
 
filomena
filomena - 17 de Outubro às 14:49
A razao disso tudo e' a interferencia dos USA, criando revolucoes, desestabilizando governos, vendendo armas para o povo matar um ao outro, destruindo a economia dessas nacoes.

publicidade