SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Conselho do Equador convoca eleições gerais para fevereiro de 2017

Para as eleições estão habilitados um total de 12,8 dos 16,6 milhões de equatorianos. Têm direito a voto os maiores de 18 anos, incluindo os detidos sem sentença, e ele é facultativo para as pessoas entre 16 e 18 anos, com mais de 75, policiais e militares

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 18/10/2016 13:08

Agência Estado

Quito, Equador - O Conselho Nacional Eleitoral (CNE) do Equador convocou nesta terça-feira eleições gerais para fevereiro, nas quais será designado o sucessor do presidente Rafael Correa, no poder desde 2007 e que desistiu de ser candidato.

O CNE convocou os equatorianos através da imprensa a escolher no dia 19 de fevereiro o presidente, vice-presidente, cinco representantes para o Parlamento Andino e 137 integrantes da assembleia para o período 2017-2021.

Para as eleições estão habilitados um total de 12,8 dos 16,6 milhões de equatorianos. Têm direito a voto os maiores de 18 anos, incluindo os detidos sem sentença, e ele é facultativo para as pessoas entre 16 e 18 anos, com mais de 75, policiais e militares.

O organismo indicou que se na eleição de fevereiro nenhuma chapa presidencial conquistar a maioria absoluta de votos válidos ou vencer com ao menos 40% dos votos e uma diferença de 10 pontos percentuais, haverá um segundo turno em 2 de abril de 2017.

Leia mais notícias em Mundo

Correa, que assumiu a presidência em janeiro de 2007 e também venceu as eleições de 2009 e 2013, desistiu de concorrer nas próximas eleições. O governante socialista, cuja esposa é belga e suas duas filhas mais velhas estudam na França, planeja ir viver na Europa por motivos familiares e acadêmicos.

O movimento governista Aliança País (AP), liderado por Correa e com uma dezena de vitórias eleitorais desde 2006, proclamou em 1º de outubro o carismático ex-vice-presidente Lenín Moreno como candidato presidencial.

Entre os aspirantes presidenciais equatorianos figuram o ex-banqueiro de direita Guillermo Lasso, segundo nas eleições de 2013, quando Correa foi eleito no primeiro turno, a parlamentar de direita Cynthia Viteri e o ex-prefeito de Quito e ex-deputado de centro-esquerda Paco Moncayo.

A inscrição de candidaturas ante o CNE será encerrada em 18 de novembro. Correa se converteu no presidente equatoriano que permaneceu por mais tempo no cargo depois que o país teve sete presidentes entre 1996 e 2007 em meio a uma grave crise política, na qual três deles foram depostos.

publicidade

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.

publicidade