SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Porto-riquenhos na Flórida são decisivos para eleição nos EUA

A má notícia para os republicanos é que a maioria dos que estão dispostos a se registrar antes do fim do prazo, nesta terça (18/10), é porto-riquenha

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 18/10/2016 17:58

France Presse


Orlando, Estados Unidos - Um grupo de ativistas registra os eleitores hispânicos em um complexo de edifícios no centro da Flórida - um dos mais importantes campos de batalha na corrida pela Casa Branca.

A má notícia para os republicanos é que a maioria dos que estão dispostos a se registrar antes do fim do prazo, nesta terça (18), é porto-riquenha.

A demografia da Flórida mudou nitidamente desde a eleição de 2012. Um milhão de hispânicos se mudou para esse estado desde então. Grande parte é de porto-riquenhos que fugiram da crise financeira na Ilha e se instalaram no centro da Flórida - sobretudo, em Tampa e em Orlando.

Ana Iris Vázquez, uma dona de casa de 54 anos, prepara o almoço em seu apartamento em Orlando quando a campainha toca. São duas mulheres da Mi Familia Vota, uma ONG que se ocupa de registrar os hispânicos com direito a votar.

Leia mais notícias em Mundo


"Em Hillary!", diz Ana Iris ao repórter da AFP, ao ser questionada sobre em quem ela votará.

"Esse senhor nos discrimina, ele nos denigre. Que futuro vai nos esperar com essa pessoa e da maneira que fala!", acrescenta, referindo-se ao republicano Donald Trump.

Ana Iris e seus compatriotas têm uma responsabilidade inesperada na corrida pela Presidência americana.

Tradicionalmente democratas, os porto-riquenhos são capazes de inclinar a balança da Flórida para Hillary Clinton.

"A imigração de porto-riquenhos atingiu verdadeiramente a quantidade de hispânicos registrados para votar no centro da Flórida", disse à AFP o diretor de Pesquisas Hispânicas, Mark Hugo López, do Pew Center.

Diferentemente de outros imigrantes que devem esperar anos para votar, os "boricuas" são cidadãos americanos e podem participar das eleições apenas alcançando terra firme, já que a Ilha é um estado livre associado dos Estados Unidos.

Atualmente, 1,9 milhão de hispânicos registrados para votar representam 15,4% do eleitorado da Flórida. Segundo o Pew, entre 2006 e 2016, a quantidade de hispânicos registrados aumentou 61%. A maioria é afiliada ao Partido Democrata.

Com 20,2 milhões de habitantes (24,5% deles hispânicos), a Flórida é o terceiro estado mais populoso do país.

Além de seu tamanho, o que faz dele um estado-chave é sua oscilação entre uma e outra tendência com uma margem muito pequena entre ambos os candidatos.

Em 2000, a Flórida protagonizou a ainda questionada recontagem de votos que levou o republicano George W. Bush à Presidência.

Há décadas, os republicanos não ganham a Presidência, sem vencer na Flórida. A última vez que isso aconteceu foi em 1923, com a vitória de Calvin Coolidge.

Isso explica o motivo pelo qual Hillary e seu oponente, Donald Trump, estão cortejando tão ferozmente a população da Flórida nesta reta final da campanha.

A Flórida é eleitoralmente complexa, porque não é homogênea. De um modo geral, o sul é democrata, o norte, republicano, e o centro, foco migratório de porto-riquenhos democratas e aposentados republicanos, e o verdadeiro campo de batalha.

"Qualquer coisa pode acontecer, porque o estado está dividido muito equitativamente", diz o professor associado de Política e Relações Internacionais Kevin Hill, da Universidade Internacional da Flórida (FIU).

Segundo o site RealClearPolitics, em 14 de outubro, Hillary tinha 6,7 pontos de vantagem em relação a Trump em nível nacional, mas na Flórida a diferença era de apenas 2,7 pontos.

Uma enquete do Pew divulgada em 11 de outubro aponta que cerca de seis em cada dez latinos registrados para votar no país (58%) são a favor da ex-secretária de Estado, enquanto apenas 19% apoiam o magnata do setor imobiliário.

Com o fim do prazo, nesta terça, para se registrar para votar, o desafio agora será combater a abstenção.

publicidade

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.

publicidade