SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Hillary Clinton propõe zona de exclusão aérea "negociada" na Síria

Para impor uma zona de exclusão aérea como a aplicada nas regiões norte e sul do Iraque após a primeira Guerra do Golfo seria necessário neutralizar os sistemas de defesa aérea da Síria

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 20/10/2016 09:11

France Presse

Las Vegas, Estados Unidos - A candidata democrata à presidência dos Estados Unidos Hillary Clinton repetiu na quarta-feira (19/10) a proposta de criar uma zona de exclusão aérea na Síria, mas disse que esta deveria ser negociada e não imposta. Clinton disse que a negociação é necessária, ao reconhecer as "legítimas preocupações" de provocar um conflito com o regime sírio ou com sua aliada Rússia, que têm avançados sistemas de armas.

"Penso que uma zona de exclusão aérea salvaria vidas e aceleraria o fim do conflito", disse a democrata no terceiro debate presidencial com o rival republicano Donald Trump, em Las Vegas. "Isto exigiria muita negociação e também deixaria claro aos sírios e aos russos que nosso propósito é propiciar zonas seguras no terreno", disse. Moscou deu poucos sinais de aceitar voluntariamente deixar em terra seus aviões ou os do regime sírio, o que provoca dúvidas sobre como Hillary poderia alcançar seu objetivo.

O presidente Barack Obama e os comandantes militares americanos rejeitaram o papel de polícia no espaço aéreo da Síria, mas aqueles que apoiam a ideia afirmam que a medida deteria os bombardeios indiscriminados de civis em Aleppo e outras cidades. Para impor uma zona de exclusão aérea como a aplicada nas regiões norte e sul do Iraque após a primeira Guerra do Golfo seria necessário neutralizar os sistemas de defesa aérea da Síria.

Leia mais notícias em Mundo

Trump disse que o presidente sírio Bashar al-Assad era "mais rude e mais inteligente que ela e Obama". "Todos pensavam que ele sairia há dois anos, há três anos. Ele agora se alinhou com a Rússia. Ele agora se alinhou com o Irã, a quem tornamos muito poderosos", disse o candidato republicano. Repetindo a posição de Moscou, Trump criticou Clinton e Obama por pedir a Assad que deixe o poder.

publicidade

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.

publicidade