SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Assassino de policial é executado no estado americano da Geórgia

Ele rejeitou a possibilidade de uma última oração e de fazer uma declaração final, de acordo com as autoridades penitenciárias do estado

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 20/10/2016 09:14

France Presse

Washington, Estados Unidos - O estado americano da Geórgia executou na quarta-feira (20/10) o assassino de um policial, depois de que o condenado perdeu o último recurso de suspensão. Nascido em 1952 e condenado à pena de morte em 2000, Gregory Lawler recebeu uma injeção letal e foi declarado morto às 23H49 locais na penitenciária de Jackson.

Ele rejeitou a possibilidade de uma última oração e de fazer uma declaração final, de acordo com as autoridades penitenciárias do estado. Lawler estava na noite de 12 de outubro de 1997 em um bar de Atlanta com a esposa, Donna Rodgers, mas os dois brigaram quando voltavam para casa. Dois policiais, John Sowa e Patricia Cocciolone, levaram Donna Rodgers para casa em estado de embriaguez, mas foram recebidos com ofensas por Lawler, que pegou um fuzil semiautomático e abriu fogo.

Os dois agentes foram atingidos por vários tiros, sem tempo para reagir. John Sowa morreu na hora, mas Patricia Cocciolone sobreviveu, apesar dos ferimentos graves, e teve sequelas psicomotoras. O advogado de Lawler apresentou um último recurso, alegando que recentemente havia sido diagnosticado que o condenado sofria de autismo. Mas a Comissão de Indultos e Liberdade Condicional da Geórgia rejeitou na terça-feira uma primeira apelação.


Leia mais notícias em Mundo

 

A Suprema Corte da Geórgia e a Suprema Corte dos Estados Unidos também rejeitaram na quarta-feira a suspensão da pena. O ritmo de execuções registrou uma queda recentemente nos Estados Unidos, por uma conjunção de fatores desfavoráveis à pena de morte, incluindo a falta de substâncias utilizadas nas injeções letais. Texas e Geórgia são responsáveis por 80% das execuções de 2016 no país.

publicidade

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.

publicidade