SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Trump aposta em aceitação condicional do resultado das urnas das eleições

"Quero prometer a todos os meus eleitores que aceitarei totalmente os resultados dessa grandiosa e histórica eleição presidencial - se eu vencer", disparou

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 21/10/2016 06:00 / atualizado em 21/10/2016 08:42

Gabriela Freire Valente

AFP


Com as chances de chegar à Casa Branca cada vez mais limitadas, o candidato presidencial da oposição republicana, Donald Trump, decidiu apostar em uma arriscada estratégia para a reta final da campanha para a eleição de 8 de novembro. Depois de recusar, na noite de quinta-feira, o compromisso de se comprometer a aceitar os resultados das eleições, durante o último debate com Hillary Clinton, o presidenciável republicano insistiu na acusação de que há um plano para corromper a eleição. Em comício no estado de Ohio, o empresário afirmou que aceitará a decisão das urnas, mas fez uma pausa dramática antes de condicionar o reconhecimento à própria vitória. “Quero prometer a todos os meus eleitores que aceitarei totalmente os resultados dessa grandiosa e histórica eleição presidencial — se eu vencer”, disparou.

“Isso é mais do que apenas uma mentira regular. Não é uma questão para fazer piada. Isso é perigoso, porque, quando você tenta plantar sementes de dúvida na mente das pessoas sobre a legitimidade das nossas eleições, isso enfraquece a democracia”, questionou o presidente Barack Obama.

Na imprensa americana, a declaração de Trump  foi rejeitada até por membros do Partido Republicano. No palanque, o empresário argumentou que só recuaria se o resultado da votação fosse “claro”. Disse que não descartava apresentar acusações legais em caso de um “resultado questionável”. “Vou seguir e respeitar todas as regras e tradições de todos os candidatos que vieram antes de mim”, afirmou. “O importante é: vamos vencer.”

Trump comparou a situação à apertada disputa entre o democrata Al Gore e o desafiante republicano George W. Bush, em 2000, e justificou o posicionamento considerando que nunca teria havido recontagem dos resultados na votação na Flórida se os concorrentes tivessem se comprometido previamente a aceitar sem condições os números iniciais.

O argumento do empresário, porém, não foi aceito integralmente entre os correligionários, que já se queixavam de fraude antes do debate final. Enquanto observadores questionavam o compromisso do concorrente com a democracia e a abertura de precedentes perigosos para o sistema político, parte dos opositores teme que o partido venha a ser alvo de questionamentos em outras disputas.

Em comunicado, o respeitado senador John McCain, um dos desafetos de Trump dentro da legenda, lembrou que não gostou do resultado das eleições de 2008 — quando  disputou a Casa Branca com Barack Obama.—McCain lembrou, porém, que tinha, na ocasião, o “dever de reconhecer” a vitória do rival. “A concessão não é apenas um exercício de graciosidade. É um ato de respeito pela vontade do povo americano, um respeito que é a primeira responsabilidade de cada líder da América”, afirmou.

Enquanto o governador do Maine, Paul LePage, se limitava a classificar o posicionamento de Trump como “estúpido”, o senador Mike Lee, de Utah, considerou que o caso era tão “inaceitável” que o candidato deveria abandonar a disputa.

Dissuasão
Adam Levine, especialista em comunicação política e professor da Cornell University, considera “preocupante” que o candidato de um dos principais partidos questione a legitimidade do processo eleitoral. Levine observa que, além de enfraquecer os fundamentos democráticos, as acusações de que as eleições são alvo de fraude desencorajam a participação dos eleitores.

Em uma disputa onde o voto é facultativo, a desmobilização política parece fazer parte da estratégia de Trump. Levine, porém, observa que a vantagem cada vez mais confortável de Hillary sobre o republicano, nas sondagens, e a falta de credibilidade do empresário entre os eleitores de Hillary limitam os efeitos de suas alegações. “Nossos estudos mostram que o tipo de pessoas que podem ser afetadas por essa retórica são aquelas que ainda não se registraram, como os jovens.”

publicidade

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.

publicidade