SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

União Europeia adota sanções contra 10 altos dirigentes do regime sírio

Os 28 países do bloco já haviam adotado sanções contra 207 sírios e 69 entidades, que em 27 de maio foram prorrogadas até 1 de junho de 2019

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 27/10/2016 10:53

France Presse

Bruxelas, Bélgica - A União Europeia (UE) adotou nesta quinta-feira (27/10) sanções contra 10 altos dirigentes do regime sírio, responsáveis pela "violenta repressão contra a população civil" neste país em guerra há mais de cinco anos. A decisão contra "militares de alta patente e personalidades do primeiro nível", eleva a 217 o número total de pessoas proibidas de viajar ao bloco europeu e com os bens congelados, informa o Conselho da UE em um comunicado.

Os chanceleres dos 28 países da UE aprovaram em 17 de outubro a adoção de sanções contra o entorno do regime sírio de Bashar al-Assad, uma decisão confirmada pelos governantes europeus em uma reunião de cúpula na semana passada. Embora os ministros das relações Exteriores europeus tenham chamado de "crimes de guerra" os bombardeios sírios, e de sua aliada Rússia, contra os bairros controlados pelos rebeldes em Aleppo, os líderes da UE não chegaram a um acordo para ampliar as sanções a dirigentes russos.

Os 28 países do bloco já haviam adotado sanções contra 207 sírios e 69 entidades, que em 27 de maio foram prorrogadas até 1 de junho de 2019. As medidas se unem às fortes sanções econômicas em vigor até o momentos, como um embargo de petróleo, restrições aos investimentos e às exportações de tecnologia que pode ser utilizada no conflito, assim como o congelamento de ativos do Banco Central sírio na UE.

Leia mais notícias em Mundo

De acordo com o comunicado do Conselho, os 28 "seguem determinados a encontrar uma solução duradoura ao conflito na Síria, já que não existe uma solução militar" a esta guerra que matou mais de 300.000 pessoas desde março de 2011. A UE ainda aguarda a aprovação de Damasco para o envio de ajuda humanitária às vítimas de Aleppo.

publicidade

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.

publicidade