SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Seja quem for o vencedor, resultado da eleição terá grande impacto nos EUA

A duas semanas para as eleições presidenciais dos Estados Unidos, analistas norte-americanos comentam a disputa entre Hillary Clinton e Donald Trump, em debate promovido pelo Correio e a Embaixada dos Estados Unidos

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 27/10/2016 12:51 / atualizado em 27/10/2016 15:50

Hellen Leite

Breno Fortes/CB;D.A Press


Para os analistas de campanha americanos, uma democrata e um republicano, a disputa entre Hillary Clinton e Donald Trump pela presidência dos Estados será impactante para ambos os lados, independente de quem será o vencedor. Tanto Hillary quanto Trump correm o risco de governar com minoria no Congresso.

David J. Kramer, advogado e candidato republicano ao Senado em 2006, e Penny Lee, jornalista e conselheira política democrata, estiveram no Brasília, nesta quinta-feira, (27/10), para discutir suas visões sobre as eleições dos Estados Unidos, em um debate organizado pelo Correio em parceria com a Embaixada dos Estados Unidos.

Leia mais notícias em Mundo

Para Kremer, seu partido passará por mais mudanças se perder ao invés de vencer. "Ao contrário do que muitos pensam, Trump não é um conservador, por isso haverá transformações no partido. Se ganhar, ele se tornará de fato o líder republicano".

Para Lee, a situação é oposta, se Hillary ganhar, o próximo desafio do partido Democrata é vencer as eleições intermediárias. "Hillary tem uma grande capacidade de liderança, mas se ela for presidente terá vários desafios, como alcançar os republicanos e ouvir o que os eleitores de Trump têm a dizer, por exemplo", comenta.

Relação Brasil x Estados Unidos
Os analistas comentaram também sobre como os candidatos encaram a economia e as relações comerciais com o mundo, e especialmente com o Brasil.

O Brasil se beneficiaria de uma maior abertura dos EUA a produtos brasileiros. Hoje os EUA são o segundo maior parceiro comercial do Brasil, atrás da China. Historicamente, o Partido Republicano, de Trump, defende o livre comércio e se opõe a medidas protecionistas que ajudem empresas americanas a competir com estrangeiras.

Já o Partido Democrata, de Hillary, encara o livre comércio com maior ceticismo e é normalmente mais sensível a apelos por políticas protecionistas. No entanto, Kremer acredita que a política externa americana mude significativamente. "Não temos uma política externa democrata ou republicana, temos uma política externa dos Estados Unidos", diz.

publicidade

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.

publicidade