SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Pesquisa no Tinder revela: o mundo prefere Hillary na Casa Branca

Usuários de mais de 16 países foram consultados e a democrata é a preferida para 73%

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 02/11/2016 15:28 / atualizado em 02/11/2016 15:33

Luisa Ikemoto

 AFP / DESK


O conhecido aplicativo de relacionamentos Tinder fez uma pesquisa diferente na a última semana. Utilizando uma ferramenta chamada "Swipe the vote" (em tradução literal, Deslize o voto), eles descobriram que, em 16 países pesquisados, a maioria prefere que a democrata Hillary Clinton ganhe as eleições norte-americanas.

Na pesquisa, os usuários responderam algumas perguntas relacionadas a temas polêmicos tratados pela campanha dos dois principais candidatos, como educação, impostos, imigração, controle de armas. Dependendo do resultado, o programa apontava se as ideias do entrevistado estavam mais alinhadas com o republicano ou a democrata, dando um match com Trump ou Hillary. No final, as pessoas declaravam um voto direto, dizendo em quem votariam caso morassem nos Estados Unidos.

Os resultados no próprio país norte-americano indicam que, embora as ideias de Hillary sejam compatíveis com 57% dos entrevistados, apenas 53% planejam votar na democrata, enquanto 47% gostariam de ver Trump como sucessor de Obama. Entre os temas abordados, 65% apoiam o aumento de impostos para os mais ricos do país, e 57% gostariam de conceder cidadania norte-americana para os imigrantes ilegais.

O único resultado que fugiu da tendência mundial - 73% de todos os usuários declararam voto para Hillary - foi a Rússia. No país de Putin, 71% gostariam de ver Trump na Casa Branca, apesar de 76% combinarem mais com as ideias da democrata.

Para quem ficou curioso, no Brasil, 81% dos usuários votariam em Clinton, enquanto apenas 19% escolheria Trump.

A pesquisa foi conduzida nos Estados Unidos, Argentina, Austrália, Brasil, Canadá, Chile, Colômbia, França, Alemanha, Índia, Japão, Coreia, México, Rússia, Espanha e Reino Unido.

publicidade

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.

publicidade