SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Chavismo rejeita plano da oposição para ratificar diálogo com governo

Apesar da determinação da MUD, estudantes opositores mantêm a convocação para uma marcha até Miraflores, assim como Lilian Tintori

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 03/11/2016 08:38

France Presse

Caracas, Venezuela - O número dois do chavismo, Diosdado Cabello, considerou uma ameaça o prazo estabelecido pela oposição venezuelana para ratificar o diálogo com o governo de Nicolás Maduro e reforço a convocação de uma passeata para esta quinta-feira. "Hoje a direita nos deu prazo de 10 dias, (...) voltou a nos ameaçar. Falar com a oposição é falar com o nada, assim ninguém tem a palavra. Farei o que tiver que fazer para ajudar o companheiro Nicolás Maduro", disse Cabello em seu programa semanal no canal estatal VTV.

O secretário executivo da coalizão opositora Mesa da Unidade Democrática (MUD), Jesús Torrealba, advertiu que na próxima reunião plenária para o diálogo, em 11 de novembro, a aliança "avaliará" os gestos do governo para confirmar o processo. Após o início, domingo passado, das conversações com a mediação do Vaticano e da União de Nações Sul-Americanas (Unasul), a MUD anunciou na terça-feira a suspensão de um julgamento parlamentar contra Maduro por sua responsabilidade política na crise, assim como de uma mobilização convocada para quinta-feira até o palácio governamental de Miraflores.

Mas o governo pretende manter uma manifestação convocada para o mesmo local. "Eu sou chavista e amanhã (quinta-feira) vou ao palácio de Miraflores", disse Cabello. Ao justificar a suspensão do protesto da oposição, Henry Ramos Allup, presidente do Parlamento (controlado pela MUD), afirmou que o Vaticano pediu moderação "de parte a parte" das passeatas convocadas na semana passada.

Leia mais notícias em Mundo

Cabello, no entanto, destacou que "Ramos Allup não pode falar em nome do chavismo". Apesar da determinação da MUD, estudantes opositores mantêm a convocação para uma marcha até Miraflores, assim como Lilian Tintori, a esposa do dirigente detido Leopoldo López. Tintori iniciou na quarta-feira à noite uma vigília diante da prisão em que López está detido. Ela afirmou que não sabe nada sobre o marido desde sexta-feira da semana passada.

publicidade

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.

publicidade