SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Começa julgamento de policial que matou negro desarmado nos EUA

Episódio ocorreu em 4 de abril de 2005, durante uma patrulha de rotina no norte de Charleston, uma cidade com uma longa história de tensões raciais entre a polícia local e a comunidade negra

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 03/11/2016 21:26

O julgamento de um ex-policial que matou um homem negro desarmado atirando pelas costas quando ele tentou fugir após ser abordado no trânsito começou nesta quinta-feira (3/11) em Charleston, Carolina do Sul, no sudeste dos Estados Unidos.

A promotora Scarlett Wilson disse aos membros do júri que Michael Slager faltou com o seu dever como policial quando atirou oito vezes contra o suspeito que fugia desarmado, mesmo depois de conseguir subjugá-lo com uma arma de eletrochoque.

O advogado de Slager, Andy Savage, disse que Walter Scott, de 50 anos, tinha provocado o policial, hoje com 34, ao fugir da operação de trânsito, provocar uma perseguição e resistir à autoridade.

O episódio ocorreu em 4 de abril de 2005, durante uma patrulha de rotina no norte de Charleston, uma cidade com uma longa história de tensões raciais entre a polícia local e a comunidade negra.
 
 
Slager, que é branco, parou Scott na manhã daquele sábado porque os faróis traseiros do seu veículo não estavam funcionando.

O homem fugiu do automóvel e Slager perseguiu o suspeito. Um transeunte filmou o momento em que o policial e o fugitivo se confrontaram brevemente, até que Scott fugiu de novo e Slager atirou nas suas costas.

O vídeo foi divulgado e, poucos dias depois, Slager foi acusado de assassinato e demitido do Departamento de Polícia do Norte de Charleston.

A promotora Wilson questionou o comportamento do policial depois do ocorrido: "A primeira reação de Slager não foi praticar reanimação cardiorrespiratória, não foi dar os primeiros socorros". Tratou, em vez disso, de cuidar do seu álibi, disse.

Savage argumentou que Slager agiu responsavelmente como policial ao perseguir um suspeito, e que não sabia que Scott não estava armado.

A promotoria chamou, então, suas primeiras testemunhas, familiares e conhecidos de Scott, para depor. O júri é composto por seis homens brancos, cinco mulheres brancas e um homem negro.
 
Por France-Presse 

publicidade

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.

publicidade