SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Presidente das Filipinas se encontra com seu "herói" Vladimir Putin

Duterte, que já expressou publicamente sua admiração pelo presidente russo, afirmou que a Guerra Fria continua entre Washington e Moscou, e também contra as Filipinas

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 20/11/2016 11:20

Lima, Peru - O presidente das Filipinas, Rodrigo Duterte, se encontrou no sábado com o homem que chama de herói, o chefe de Estado russo Vladimir Putin, com quem falou sobre a "hipocrisia" e o "bullying" que, na sua opinião, os Estados Unidos praticam com o mundo.

Duterte, que já expressou publicamente sua admiração pelo presidente russo, afirmou que a Guerra Fria continua entre Washington e Moscou, e também contra as Filipinas, uma ex-colônia americana identificada historicamente com o Ocidente.

Desde que assumiu o poder em junho, Duterte deixou de lado a histórica aliança militar de Manila com Washington. Ele afirma que está se deslocando para China e Rússia, ao mesmo tempo que realiza uma política externa independente. "Foi bom enquanto durou", disse Duterte a Putin a respeito do que ele chama de "separação" de Washington.


"E parece que começam uma guerra, mas têm medo de ir à guerra, este é o problema dos Estados Unidos. Travaram guerras em muitos lugares, no Vietnã, no Afeganistão e no Iraque, sob a simples alegação de que havia arma de destruição em massa, e não havia nenhuma", disse.

Duterte também disse que Washington "obrigou" Manila a contribuir com soldados no Vietnã e Iraque. Quando Manila retirou as tropas não combatentes que integravam a coalizão liderada por Washington no Iraque em 2004, os americanos "nos dificultaram", afirmou Duterte a Putin.

O encontro foi divulgado pela presidência filipina. Duterte declarou no mês passado que seu Putin é seu "herói favorito" e disse que compartilha com o presidente russo uma paixão pelas armas e as mulheres.

O presidente filipino é alvo de críticas no Ocidente por sua política de combate às drogas e ao crime, que segundo várias organizações viola os direitos humanos.
 
Por France Presse 

publicidade

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.

publicidade