SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Australiana investe em prostiuição para nerds e faz sucesso na internet

Lucie Bee conta que o fetiche preferido dos clientes é quando ela se veste de mulher gato

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 24/11/2016 16:00 / atualizado em 24/11/2016 17:32

Correio Braziliense


Uma australiana descobriu um jeito inusitado de unir duas grandes paixões, além, é claro, de ganhar bastante dinheiro e conquistar uma legião de fãs. Lucie Bee é apaixonada por cultura pop e por sexo. Até aí, nada de diferente. A jovem, porém, decidiu investir em um terreno ainda pouco explorado, mas bastante promissor: prostiuição com foco em atendimento aos nerds de plantão.

"Eu sempre gostei de quadrinhos de super-heróis. Depois, descobri que as pessoas gostam de ver uma mulher vestida de seus personagens favoritos. Então juntei as duas coisas", contou Lucie ao portal inglês Daily Mail. Segundo a australiana, o pedido mais frequente é que ela se transforme em mulher gato e fale com os clientes como se eles fossem o próprio Batman. "Eles adoram", comentou. Se a sua pergunta é sobre o chicote, a respota é sim, ele está presente.

Leia mais notícias em Mundo


A moça de curvas, digamos, avantajadas e vívidos cabelos ruivos constituiu nos últimos meses uma base sólida de fãs (e clientes, claro). Por isso, ela é frequentemente convidada para congressos nerds, onde consegue cada vez mais adeptos ao fetichismo. "As pessoas adoram me ver ao vivo e me dizer um 'oi'. E aí eles podem ver que eu não mordo — só se me pedirem", brincou.

O lado negativo da fama, segundo Lucie, são os haters — os chamados odiadores, nas redes sociais. "Tem gente muito má por aí. Falam que meu pai deve ter vergonha de mim, que eu devo beber para aguentar minha vida", lamentou.

Ela, porém, garante, sem revelar as cifras que ganha, que a profissão vale a pena. "Fazer o que faço me satisfaz e me leva a caminhos que eu nunca imaginei", finalizou.

publicidade

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.

publicidade