SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Justiça não vincula assassinato em asilo na França com ato terrorista

O suspeito está sendo procurado pela Polícia. Sua identidade não foi divulgada

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 25/11/2016 09:14


Montpellier, França - Nenhum elemento permite vincular o assassinato cometido na quinta-feira à noite em uma residência para religiosos perto de Montpellier, no sul da França, com o terrorismo islamita, declarou nesta sexta-feira o promotor Christophe Barret.

"As motivações são desconhecidas", afirmou.

Um homem armado invadiu um lar para religiosos em Monferrier-sur-Lez, matou uma funcionária da casa a facadas e conseguiu fugir.

O suspeito está sendo procurado pela Polícia. Sua identidade não foi divulgada.

"Até o momento, há uma única vítima", declarou à AFP o procurador Christophe Barret. acrescentando que, "nessa etapa, não há qualquer informação particular sobre a motivação do crime".

Um amplo perímetro de segurança foi estabelecido na área.

Leia mais notícias em Mundo


A casa de repouso Les Chênes Verts ("As azinheiras"), da Sociedade de Missões Africanas (SMA), fica em Montferrier-sur-Lez, perto de Montpellier, onde vivem cerca de 70 homens e mulheres que foram missionários na África.

Segundo as primeiras informações, pouco antes das 22h locais de quinta-feira, o indivíduo, que estava encapuzado e armado com uma faca e com um fuzil, invadiu sozinho o local.

"Às 22h, uma mulher que trabalhava no asilo ligou para os gendarmes, alertando que havia sido atacada por um homem", contou Barret.

Depois de amarrada e amordaçada pelo agressor, ela conseguiu se soltar para dar o alerta e foi encontrada, depois, "sã e salva, mas muito abalada", acrescentou o procurador.

Uma outra funcionária do asilo não teve a mesma sorte e foi assassinada.

O prefeito de Montferrier-sur-Lez, Michel Fraysse, disse à AFP que vivem nesse local 60 ex-missionários que passaram por países africanos, além de seis, ou sete laicos, e seis, ou sete freiras.

Os residentes "são muito, muito idosos, com idade média de 75 anos, e alguns têm mais de 90", relatou o vereador de Montferrier-sur-Lez Alain Berthet.

"São vulneráveis", completou.

Segundo o procurador Barret, "ninguém ficou ferido, ou foi maltratado (...) todos estão ilesos".

"Nossas orações esta noite se elevam junto a quem perdeu sua vida nesse ataque contra uma casa de repouso de religiosos aposentados", declarou no Twitter o secretário-geral e porta-voz da Conferência Episcopal da França, monsenhor Olivier Ribadeau Dumas.

"Nossas rezas também acompanham os missionários atacados (...) Que Deus lhes dê toda Sua paz", acrescentou.

publicidade

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.

publicidade