SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Justiça alemã confirma condenação do contador de Auschwitz

A Corte também recusou os recursos apresentados por vários demandantes que não concordavam com a primeira sentença

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 28/11/2016 13:27


Berlim, Alemanha
- A justiça alemã confirmou a pena de quatro anos de prisão para o contador de Auschwitz Oskar Groning, de 95 anos, condenado por "cumplicidade" no assassinato de 300.000 judeus.

A Corte Federal de Karlsruhe rejeitou em 20 de setembro um recurso apresentado pelo nonagenário após a condenação em julho de 2015 pelo tribunal de Luneburgo, informou à AFP o advogado Hans Holtermann.

A Corte também recusou os recursos apresentados por vários demandantes que não concordavam com a primeira sentença.

A decisão, muito aguardada pelos juristas da Alemanha, valida um conceito mais amplo da noção de responsabilidade no Holocausto, ao acusar alguém de "cumplicidade" com o extermínio, sem provas de participação direta nos assassinatos.

Leia mais notícias em Mundo


Em 2011, o ex-guarda do campo de Sobibor John Demjanjuk, condenado por cumplicidade, também apresentou um recurso. Mas o réu faleceu enquanto a Corte Federal examinava seu caso e o tribunal não pôde validar ou invalidar o conceito ampliado de responsabilidade.

"Esta decisão afirma, finalmente, de forma clara que todos aqueles que participaram no processo de extermínio compartilham a responsabilidade e a culpabilidade", afirmou em um comunicado Christoph Heubner, do Comitê Internacional de Auschwitz.

"Isto enviará uma mensagem duradoura para os próximos julgamentos relacionados com o genocídio", completou.

Oskar Groning está em liberdade, já que o recurso de cassação é suspensivo. O Ministério Público determinará se o seu estado de saúde é compatível com a detenção, o que parece pouco provável.

Em 15 de julho de 2015, Groning foi condenado a quatro anos de prisão por, segundo ele, ter aceitado "um trabalho de escritório seguro" no campo de extermínio nazista de Auschwitz, na Polônia.

Durante o julgamento ele admitiu ter cometido uma "falta moral" e pediu desculpas.

A Alemanha julgou nos últimos anos vários nazistas em processos que ilustram o crescente, embora tardia, rigor da justiça em relação ao grupo.

Quase 1,1 milhão de pessoas, incluindo um milhão de judeus, morreram entre 1940 e 1945 no campo de Auschwitz-Birkenau, libertado pelos soviéticos em janeiro de 1945.

publicidade

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.

publicidade