SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

EUA lançam no Afeganistão sua bomba não nuclear mais poderosa

Foi o primeiro uso deste armamento em combate

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 13/04/2017 15:02 / atualizado em 13/04/2017 15:24

ZACH GIBSON / AFP
Os Estados Unidos utilizaram nesta quinta-feira (13/4) no Afeganistão sua bomba não nuclear mais potente contra um complexo de cavernas sob o controle do grupo radical Estado Islâmico, informou uma fonte de alto escalão do Pentágono.

Os Estados Unidos utilizaram nesta quinta-feira no Afeganistão sua bomba não nuclear mais potente contra um complexo de cavernas sob o controle do grupo radical Estado Islâmico, informou uma fonte de alto escalão do Pentágono.

A bomba, conhecida pela sigla MOAB, "atingiu um complexo de cavernas" e túneis escavados no distrito de Achin, na província oriental de Nangarhar, disse o porta-voz do Pentágono, Adam Stump. 

Foi o primeiro uso deste armamento em combate. O artefato explosivo foi lançado de um avião de grande altitude.

 
Este artefato tem formalmente a denominação GBU-43/B, mas é chamado de "mãe de todas as bombas" (MOAB, em inglês), pesa pouco mais de nove toneladas e foi desenvolvido pelo Laboratório de Pesquisas da Força Aérea americana.

O general John Nicholson, chefe das forças americanas no Afeganistão, disse que a gigantesca bomba é "a munição adequada para reduzir os obstáculos e manter o impulso de nossa ofensiva" contra as forças do Estado Islâmico e Khorasan.

Pouco depois, o porta-voz da Casa Branca, Sean Psicer, disse que "era necessário tirar seu espaço operacional, e fizemos isso".

"Os Estados Unidos tomaram todas as precauções necessárias para evitar vítimas civis e danos colaterais como resultado desta operação", declarou Spicer.

Até esta quinta-feira, esta bomba havia sido utilizada apenas em testes realizados pela Força Aérea em 2003.

No último fim de semana, um soldado americano morreu em combates na província de Nangarhar, no leste do Afeganistão.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.