SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Mike Pence chega ao Japão com Coreia do Norte marcada na agenda

Apesar das pressões internacionais, a Coreia do Norte tentou no domingo sem êxito lançar um novo míssil e teme-se que o país esteja se preparando para realizar um sexto teste nuclear

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 18/04/2017 07:13 / atualizado em 18/04/2017 07:48

Kazuhiro Nogi/AFP
 
Tóquio, Japão - O vice-presidente dos Estados Unidos, Mike Pence, chega a Tóquio nesta terça-feira, após visitar a Coreia do Sul, em um momento de crescente preocupação com o programa nuclear de Pyongyang. O ponto alto da visita será o encontro com o primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, e a questão do regime de Kim Jong-Un estará necessariamente na agenda após os testes de mísseis da Coreia do Norte em direção ao arquipélago japonês.


Apesar das pressões internacionais, a Coreia do Norte tentou no domingo sem êxito lançar um novo míssil e teme-se que o país esteja se preparando para realizar um sexto teste nuclear. A Coreia do Norte poderia se antecipar a um ataque americano atingindo a Coreia do Sul ou o Japão, o que faz com que Tóquio e Seul olhem com preocupação a elevação do tom da administração de Donald Trump, cada vez mais belicoso.

Durante visita à zona desmilitarizada na tensa fronteira que separa o Norte e o Sul da Coreia, Pence recordou os recentes ataques dos Estados Unidos a uma base aérea síria e a jihadistas no Afeganistão. "Nestas duas últimas semanas, o mundo foi testemunha da força e da determinação de nosso novo presidente durante operações realizadas na Síria e no Afeganistão", declarou sobre o bombardeio americano contra uma base aérea do regime sírio e o lançamento de uma superbomba contra extremistas no Afeganistão.

"A Coreia do Norte faria melhor em não colocar à prova sua determinação, ou a potência das forças armadas dos Estados Unidos nesta região", acrescentou Pence. Os EUA já advertiram que não permitirão que a Coreia do Norte desenvolva mísseis balísticos intercontinentais capazes de transportar ogivas nucleares até o oeste dos Estados Unidos.

Tóquio pretende que a Casa Branca se concentre em pressionar a China - único aliado que resta a Pyongyang - para que o regime norte-coreano volte à mesa de negociações sobre seu programa nuclear, abandonadas em 2009. "Com uma coordenação estreita espero que possamos pedir com firmeza à Coreia do Norte que se abstenha destas ações provocadoras e que se apegue às resoluções do Conselho de Segurança da ONU", disse o porta-voz do governo japonês Yoshihide Suga.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.