França: armas e material para explosivos encontrados para plano de atentado

A dupla foi detida pelos serviços de inteligência como parte de uma investigação por associação terrorista, acrescentaram as fontes

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 18/04/2017 09:36

Paris, França - Armas e material para a fabricação de explosivos foram encontrados durante as buscas realizadas após a detenção nesta terça-feira de dois homens suspeitos de querer realizar um ataque "iminente" na França, informaram fontes próximas à investigação. As operações de busca seguem em andamento em Marselha (sudeste), onde os dois suspeitos, de 29 e 23 anos, "de nacionalidade francesa" e "radicalizados", foram presos esta manhã, informou o ministro do Interior Matthias Fekl.


A dupla foi detida pelos serviços de inteligência como parte de uma investigação por associação terrorista, acrescentaram as fontes. Os dois indivíduos planejavam um atentado "nos próximos dias em solo francês", garantiu o ministro do Interior aOS repórteres. Nas buscas em Marselha foram encontrados "elementos que permitiriam materializar este ataque", afirmou, acrescentando que estavam sendo realizadas no local "operações de segurança e de desminagem".

Os dois homens, vigiados pela polícia por radicalização, já haviam sido presos por outros delitos sem relação com o terrorismo, de acordo com uma fonte próxima à investigação. "Tudo está pronto para garantir a segurança do primeiro turno da eleição presidencial", que acontece dia 23 de abril, afirmou o ministro, ressaltando, contudo, que "o risco terrorista é maior do que nunca".

Além disso, fotos dos dois homens detidos nesta terça foram distribuídas pelos serviços de segurança dos candidatos às eleições presidenciais na semana passada. "Meu serviço de segurança recebeu as fotos na quinta", segundo a ultradireitista Marine Le Pen, enquanto que um assistente do centrista Emmanuel Macron também confirmou  tê-las recebido. O conservador François Fillon também foi alerta do perigo, afirmou um assistente.

Mais de 50.000 policiais e gendarmes, apoiados por militares da operação Sentinela, serão mobilizados para garantir a segurança durante a votação de domingo, principalmente nos arredores dos 67.000 colégios eleitorais.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.