Equador: Lasso rejeita contagem parcial de votos e refuta resultados

Lasso, que acusa o Conselho Nacional Eleitoral (CNE) de ser controlado pelo governo, interpretou como "um show de insultos à inteligência" a recontagem de 1,2 milhão de votos

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 19/04/2017 17:14

O opositor Guillermo Lasso recusou nesta quarta-feira (19) o resultado de 11,2% da recontagem de votos relacionadas às eleições do dia 2 de abril no Equador, e comentou que "jamais reconhecerá" a vitória do adversário, o governista Lenín Moreno. 

"Nunca reconheceremos a vitória de um candidato confirmado pelo Conselho Nacional Eleitoral (CNE). Esse será um presidente sem mandato autêntico", declarou Lasso em coletiva de imprensa.

Lasso, que acusa o CNE de ser controlado pelo governo do presidente Rafael Correa, interpretou como "um show de insultos à inteligência" a recontagem de 1,2 milhão de votos feita na terça-feira (18), em Quito. 

"Ofereceram-nos uma recontagem parcial que não é suficiente para esclarecer o ocorrido durante esse blecaute eleitoral, o qual nós, cidadãos equatorianos, nos sentimos desamparados", opinou Lasso. 

Após a revisão de 3.865 atas de apuração, que representam cerca de 1.275.450 votos, o CNE confirmou a vitória do candidato socialista Moreno com 51,16%. Lasso obteve 48,84%.
 
"Vamos seguir na luta porque é para isso que estamos aqui", disse Lasso, sem entrar em detalhes se tomará novas medidas perante o Tribunal Contencioso Eleitoral (TCE) - autoridade máxima para a resolução de questões eleitorais - para contestar os resultados.

O opositor apresentou no final de semana dois pedidos ao Tribunal: a recontagem dos votos e a invalidação da recontagem parcial. O TCE desconsiderou a solicitação por julgar como "incoerente" tramitar ambos os pedidos de forma unificada. 

"Os cidadãos pediram justiça e essa lhes foi negada de forma descarada. Os juízes eleitorais nem sequer leram nossa solicitação", queixou-se Lasso. 

O ex-banqueiro negou-se a reconhecer os resultados oficiais desde o primeiro momento, alegando irregularidades na contagem e no sistema informático do CNE. Suas denúncias resultaram em protestos diários de milhares de pessoas em algumas cidades do Equador, que não tiveram feridos ou detidos. 

Moreno, que já foi vice-presidente de Correa, começará a governar no próximo 24 de maio.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.