Chefe do Pentágono: não há dúvida de que a Síria guardou armas químicas

O governo de Donald Trump ordenou um ataque de punição contra uma base síria após um suposto ataque químico do regime em 4 de abril contra uma cidade sob controle dos rebeldes

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 21/04/2017 09:45

O secretário de Defesa dos Estados Unidos, Jim Mattis, afirmou nesta sexta-feira durante uma visita a Israel que "não há dúvida" de a que Síria conservou algumas armas químicas e advertiu o regime de Bashar al-Assad que não utilize as mesmas.
 

Mattis, ao lado do colega israelense Avigdor Lieberman, se recusou a comentar o número de armas que, segundo Washington, a Síria armazena.

O governo de Donald Trump ordenou um ataque de punição contra uma base síria após um suposto ataque químico do regime em 4 de abril contra uma cidade sob controle dos rebeldes.

"Não há dúvida para a comunidade internacional de que a Síria conservou armas químicas, violando os acordos e as promessas de que iria se desfazer delas", disse Mattis.

"Trata-se de uma violação das resoluções das Nações Unidas", completou. 

A Síria cometeria "um grave erros se tentasse usar novamente" as armas químicas. "Deixamos claro com nosso ataque" punitivo contra a base militar síria, disse o chefe do Pentágono.

Assad, que tem o apoio militar da Rússia, negou que as forças do país tenham utilizado armas químicas em 4 de abril ao bombardear a localidade de Khan Sheikhun. 

"É uma invenção 100%", disse o presidente sírio.

O regime de Damasco afirma que abriu mão de todas as armas químicas em 2013, após um acordo entre Rússia e Estados Unidos sobre o desmantelamento do arsenal químico da Síria, que recebeu o aval do Conselho de Segurança da ONU.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.