Donald Trump exige silêncio de ex-diretor do FBI James Comey

O tuíte de Trump parece uma ameaça e recorda o sistema implementado pelo presidente Richard Nixon, que gravava suas conversas telefônicas e na Casa Branca com seus interlocutores

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 12/05/2017 21:50

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, ameaçou nesta sexta-feira o ex-diretor do FMI James Comey, intimado publicamente ao silêncio sobre as circunstâncias pouco claras de sua demissão na terça-feira.
 
 
Desde a demissão abrupta, o presidente republicano nada fez para acalmar os ânimos ou tranquilizar os críticos que, sem falar em crise constitucional, temem uma tentativa de intimidação ou de desestabilização da polícia federal americana, e mais amplamente da Justiça, da qual o FBI é dependente.

"James Comey melhor que não haja 'fitas' de nossas conversas antes que comece a vazar para a imprensa!", escreveu Trump em uma série de tuítes matinais nos quais atacou seus críticos e a imprensa pelas reações à demissão de Comey.

Pouco depois, o Senado informou que Comey recusou um convite do Senado para uma audiência a portas fechadas na próxima terça-feira.

O tuíte de Trump parece uma ameaça e recorda o sistema implementado pelo presidente Richard Nixon (1961-1974), que gravava suas conversas telefônicas e na Casa Branca com seus interlocutores, um hábito que se voltou contra ele no escândalo Watergate.

Mas o porta-voz da Casa Branca, Sean Spicer, declarou que a mensagem de Trump "não é uma ameaça", mas visa evitar "o compartilhamento de informação não autorizada".

Sobre eventuais gravações no Salão Oval, o porta-voz se limitou a dizer que "o presidente não tem outros comentários a fazer".

A este respeito, o presidente deve entregar ao Congresso qualquer gravação ou reconhecer, mais uma vez, que fez deliberadamente uma declaração falsa, ou neste caso ameaçadora", reagiu indignado o deputado democrata Adam Schiff. 

Na imprensa americana, muitas fontes anônimas dentro da Casa Branca e da administração descreveram um ambiente confuso e de tensão nos últimos dias, com a versão oficial do afastamento ganhando ares cada vez mais pessoais.

Inicialmente, a razão oficial dada sobre a demissão foi o comportamento de James Comey no final da investigação sobre os emails de Hillary Clinton em 2016. Ele foi criticado por ter realizado uma coletiva de imprensa e depois ter anunciado a retomada das investigações poucos dias antes da eleição presidencial.

A Casa Branca garantiu que o afastamento nada tinha a ver com a investigação em curso do FBI sobre o eventual conlui entre membros da equipe de campanha de Donald Trump e a Rússia.

Comey silencioso

Mas o bilionário acabou por declarar à NBC na quinta-feira que sempre teve a intenção de demitir Comey da chefia do FBI, o que contradiz a informação da Casa Branca de que o presidente agiu por recomendação de altos funcionários da Justiça.

"Quando me decidi, disse a mim mesmo 'esse negócio com a Rússia, Trump e a Rússia, é uma história inventada'".

Há meses, o presidente republicano tem se mostrado furioso com o fato de seu nome ser mencionado na investigação, insistindo não haver provas de conluio, e acusando a mídia de alimentar artificialmente o caso em vez de cobrir suas decisões econômicas ou de segurança.

Segundo o próprio Trump, ele pediu diretamente a James Comey, em conversas por telefone, que confirmasse que não era alvo da investigação.

O grau de descontentamento do 45º presidente americano era claro em seus tuítes nesta sexta-feira.

"Os meios de comunicação falsos estão fazendo horas extras hoje!", escreveu.

"Mais uma vez, a história de conluio entre os russos e a campanha Trump foi inventada pelos democratas como um pretexto para justificar sua derrota na eleição", ressaltou.

Ele também sugeriu o fim dos briefings diários da Casa Branca.

O presidente republicano introduz confusão entre as diferentes vertentes da investigação. O FBI investiga não só um possível conluio, mas também de forma mais geral sobre o ataque hacker russo durante a campanha.

A realidade destas interferências está clara: os seis oficiais da inteligência americana, dois dos quais foram nomeados por Donald Trump, reafirmaram na quinta-feira que a Rússia havia tentado influenciar as eleições americanas.

O chefe interino do FBI, Andrew McCabe, declarou ainda que a investigação russa era da maior importância.

Por enquanto, o dique republicano se mantém no Congresso, onde a oposição democrata permanece isolada em sua chamada para a nomeação de um promotor especial para garantir a independência da investigação.

Mas dezenas de republicanos expressaram seu desconforto, criticaram o tom do presidente, defenderam o ex-diretor do FBI e ainda pediram a criação de uma comissão independente de inquérito sobre a Rússia.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.