Trump diz que tem 'direito absoluto' de compartilhar informações com Rússia

O presidente norte-americano disse que compartilhou com a Rússia fatos sobre terrorismo e segurança aeronáutica

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 16/05/2017 09:36

AFP / SAUL LOEB


O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, se defendeu nesta terça-feira da acusação de repassar informações secretas à Rússia alegando que tem o "direito absoluto" de compartilhar estes dados reservados de inteligência. "Como presidente, quis compartilhar com a Rússia (em um evento aberto da Casa Branca), como é meu direito absoluto, fatos sobre terrorismo e segurança aeronáutica", expressou Trump em uma série de tuítes.


Além disso, expressou o presidente, queria que a "Rússia aumentasse de forma importante sua participação na luta contra o EI (Estado Islâmico) e o terrorismo". Desde a tarde de segunda-feira, o presidente se encontra no centro de um escândalo por denúncias de ter repassado a funcionários russos informações de inteligência que eram consideradas de grau máximo de reserva.

Na semana passada, Trump recebeu no Salão Oval o chanceler russo, Serguei Lavrov, e de acordo com denúncias de jornais como Washington Post e The New York Times, assim como da rede CNN, nesta conversa Trump mencionou que o EI planejava ataques contra os Estados Unidos utilizando laptops em voos.

Segundo fontes de alto escalão do governo, esta informação foi oferecida aos Estados Unidos por um aliado com a condição de não repassá-la a ninguém, nem mesmo a outros países aliados, para não expor a fonte dos dados. Assim, a mensagem de Trump no Twitter nesta terça-feira parece confirmar que o presidente efetivamente mencionou estas ameaças em sua conversa com Lavrov, mas considera que fez a coisa certa.

Esta explosiva denúncia ocorre em meio ao terremoto político gerado há uma semana pela demissão do diretor do FBI, James Comey, que investigava precisamente os contatos entre a Rússia e o comitê de campanha de Trump nas eleições do ano passado.

O porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov, afirmou nesta terça-feira, por sua vez, que a questão da suposta divulgação por parte de Trump de segredos do Estado à Rússia não merece ser confirmada ou negada, classificando-a de "nonsense". "Para nós, isso não é uma questão, é nonsense", disse Peskov. "Não é uma questão que merece ser confirmada ou negada", acrescentou.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.