Venezuela: morte de jovem eleva a 40 número de vítimas fatais nos protestos

O jovem, que não teve a identidade divulgada, faleceu durante a madrugada em um hospital público, para onde foi levado na segunda-feira depois de ser atingido por um tiro na cabeça

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 16/05/2017 11:37

Caracas, Venezuela -Um menor de 17 anos morreu nesta terça-feira depois de ter sido ferido com um tiro em um protesto contra o presidente venezuelano, Nicolás Maduro, o que eleva a 40 o número de vítimas fatais em seis semanas de manifestações, anunciou o Ministério Público.

O jovem, que não teve a identidade divulgada, faleceu durante a madrugada em um hospital público, para onde foi levado na segunda-feira depois de ser atingido por um tiro na cabeça.

A vítima foi atingida "durante uma manifestação" no município de Pedraza (estado de Barinas, oeste do país), informou o MP, que investiga o caso em conjunto com a polícia judicial (CICPC).

De acordo com informações preliminares, o jovem estava perto do local em que acontecia um protesto, quando repentinamente chegou um grupo de pessoas que efetuou vários disparos, ferindo o jovem na região cranioencefálica.

Na segunda-feira foram registrados distúrbios violentos em vários estados do país, como parte de um plantão nacional convocado pela coalizão de partidos Mesa da Unidade Democrática (MUD).

Um jovem de 18 anos também morreu, supostamente depois de receber um tiro no tórax, "durante um protesto" na localidade de Palmira (Táchira, oeste), segundo o MP.

Dois policiais e um civil foram feridos a tiros na cidade de Valencia (norte) e na localidade de Colón (Táchira) durante confrontos, de acordo com autoridades regionais e dirigentes opositores.

Maduro enfrenta uma onda de protestos desde 1º de abril, que exigem sua saída do poder com eleições gerais, e rejeitam a convocação de uma Assembleia Constituinte.

O presidente socialista acusa seus adversários de querer "incendiar" o país para derrubá-lo e propiciar uma intervenção dos Estados Unidos, país que acusa de financiar as manifestações.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.