Papa Francisco pede a Donald Trump que trabalhe pela paz

O presidente americano e a esposa Melania chegaram às suntuosas salas do Vaticano acompanhados por uma comitiva de 12 pessoas

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 24/05/2017 10:56 / atualizado em 24/05/2017 11:51

Evan Vucci/POOL/AFP
 
Cidade do Vaticano, Santa Sé - O papa Francisco recebeu nesta quarta-feira no Vaticano pela primeira vez o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, uma audiência de 30 minutos durante a qual falaram sobre "promover a paz no mundo". O encontro, muito aguardado e precedido por uma certa tensão, começou às 8H30 locais (3H30 de Brasília, no escritório privado do papa, no segundo andar do palácio apostólico, e sob imponentes medidas de segurança.
 
 
"Aconteceu uma troca de pontos de vista sobre alguns temas relacionados com a atualidade internacional e com a promoção da paz no mundo por meio da negociação política e o diálogo inter-religioso", informou o Vaticano. "Manifestaram satisfação com o compromisso comum a favor da vida e da liberdade religiosa e de consciência", ressalta o comunicado vaticano, que pede uma "colaboração serena" inclusive em áreas como "a assistência aos imigrantes".

O presidente americano e a esposa Melania chegaram às suntuosas salas do Vaticano acompanhados por uma comitiva de 12 pessoas. O papa recebeu com um aperto de mãos um sorridente Trump na porta da biblioteca. Depois o convidou a entrar no escritório papal. Um tradutor estava presente no encontro.

"Welcome" (bem-vindo), disse o papa, ao que Trump respondeu "é uma honra". Os dois líderes têm posições contrárias sobre temas como migração, mudança climática, venda de armas, pena de morte, islã, o que provocou uma grande expectativa para o encontro. "Obrigado, obrigado. Não esquecerei o que me disse", afirmou Trump ao papa ao final do encontro.

Textos sobre a paz

A audiência privada durou o tempo médio que o papa concede aos governantes. No final do encontro, Trump apresentou a delegação que o acompanhava, incluindo sua filha Ivanka. A audiência aconteceu particularmente cedo, já que Francisco deveria presidir duas horas mais tarde a tradicional audiência geral de quarta-feira na Praça São Pedro, diante de milhares de peregrinos de todo o mundo.

O encontro foi marcado após meses de especulações sobre as dúvidas de Trump de uma reunião com o pontífice durante sua primeira viagem ao exterior como presidente. O papa Francisco aproveitou a oportunidade para presentear Donald Trump com um texto emblemático sobre a paz.

O documento, com o título "A não violência, estilo de uma política para a paz", escrito pelo papa argentino por ocasião da Jornada Mundial da Paz 2017, foi entregue pessoalmente pelo pontífice ao presidente americano. "Espero que seja um instrumento de paz", disse em espanhol o papa a Trump, que respondeu: "Vou ler".

"Precisamos de paz", disse em inglês Trump, que presenteou o papa com uma série de livros de Martin Luther King, o pastor americano e ativista dos direitos civis dos afro-americanos. "Acredito que vai gostar. Espero", disse Trump.

O presidente americano, um protestante presbiterano, e sua terceira esposa, católica, também visitaram a Capela Sistina e a Basílica de São Pedro. O pontífice, que no início do encontro parecia sério, se mostrou cordial e sorridente durante a audiência e chegou até a brincar com a esposa de Trump, Melania, sobre a altura do marido, mais de 1,90 metro. "Mas, o que você dá para ele comer?", perguntou, sorrindo.

"Viagem histórica"

"Esta é uma viagem histórica. Nenhum presidente havia visitado em apenas uma viagem a terra de origem de judeus, cristãos e muçulmanos. O presidente Trump está buscando unir os povos de todas as religiões ao redor de uma visão comum de paz", afirmou à AFP horas antes do encontro Herbert McMaster, conselheiro de Segurança Nacional do presidente.

A condenação ao aborto, a eutanásia, o casamento gay são alguns dos chamados "valores não negociáveis" para a Igreja Católica com os quais Trump concorda com veemência.

Mas Trump e o primeiro pontífice de origem latino-americana também defendem modelos econômicos e sociais opostos, com divergências sobre temas como a construção de um muro entre Estados Unidos e México contra a migração, a assistência aos pobres, as relações com o mundo islâmico ou a estratégia no Oriente Médio.

Trump, que chegou ao Vaticano procedente da Arábia Saudita e Israel, dois importantes aliados dos Estados Unidos, busca "convergências" com o líder de 1,3 bilhão de católicos depois de reuniões com representantes das outras duas grandes religiões monoteístas, muçulmanos e judeus.

A apertada agenda de Trump incluiu uma reunião de cortesia com o presidente e o primeiro-ministro da Itália no Palácio de Quirinal. O presidente republicano viajará mais tarde para Bruxelas, onde comparecerá a uma reunião de cúpula da Otan na quinta-feira. Trump deve retornar à Itália para participar da reunião do G7, nos dias 26 e 27 em Taormina, Sicília .
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.