Primeiro-ministro de Malta joga o futuro em eleições antecipadas

Os resultados da votação serão divulgados no domingo (4)

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 03/06/2017 13:05

AFP / Matthew Mirabelli

Valetta - Malta comparece às urnas neste sábado (3/6) para eleições antecipadas que decidem o futuro do primeiro-ministro Joseph Muscat, cujo balanço oscila entre os bons resultados econômicos e um escândalo de corrupção.

O pequeno arquipélago no Mediterrâneo tem população de 430.000 habitantes. Analistas esperam a participação de 90% dos eleitores e os resultados serão divulgados no domingo (4).

As pesquisas mais recentes mostravam Muscat em primeiro lugar, mas com 20 a 30% de indecisos os analistas não descarta uma vitória da oposição.


A campanha foi marcada pelas revelações de fraude fiscal em grande escala do caso 'Panama Papers', milhares de documentos comprometedores vazados para a imprensa e procedentes do escritório de advocacia panamenho Mossack Fonseca.

Malta foi acusada de ser um paraíso fiscal para algumas empresas europeias.

A mulher do primeiro-ministro, Michelle Muscat, foi acusada de ter uma conta no Panamá para receber subornos do Azerbaijão em troca da autorização a um banco deste país da Ásia Central para instalar-se em Malta.

"A maior mentira da história política de Malta", reagiu Muscat, que prometeu renunciar caso as acusações sejam confirmadas, após uma investigação que ele mesmo solicitou.

Joseph Muscat, um ex-jornalista de 43 anos, chegou ao poder em 2013 com um programa de centro-esquerda, encerrando 15 anos de governo do Partido Conservador.

Entre suas conquistas estão a aprovação do casamento entre pessoas do mesmo sexo e uma economia em pleno 'boom'.

O vencedor da eleição legislativa será acompanhado com interesse pelas instituições internacionais, pois o sistema financeiro de Malta é acusado de servir de refúgio fiscal a empresas russas, líbias e, inclusive, europeias.

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.