Comissão Europeia quer solução de países que não recebem refugiados

O Executivo comunitário anunciou na terça-feira a abertura de processos de infração contra Varsóvia, Budapeste e Praga, que poderiam resultar a longo prazo em sanções. Os três países não cumpriram o plano de distribuição de refugiados que entram na Itália e Grécia

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 14/06/2017 06:55

Estrasburgo, França - O presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, pediu nesta quarta-feira uma "solução política imediata" aos governos da Hungria, Polônia e República Tcheca, depois que Bruxelas iniciou ações legais contra os três países que não cumprem os compromissos de acolher migrantes.

"A solidariedade europeia não pode ser resolvida nos tribunais, o que pedimos é uma solução política imediata", afirmou Juncker em um discurso no Parlamento Europeo em Estrasburgo.

O Executivo comunitário anunciou na terça-feira a abertura de processos de infração contra Varsóvia, Budapeste e Praga, que poderiam resultar a longo prazo em sanções. Os três países não cumpriram o plano de distribuição de refugiados que entram na Itália e Grécia, aprovado em plena crise migratória e que deveria ressaltar a solidariedade europeia.

A UE decidiu, em setembro de 2015, distribuir em dois anos 160.000 requerentes de asilo da Itália e da Grécia - onde mais de um milhão de imigrantes desembarcaram apenas em 2015 - no restante do bloco, em parte em função de cotas obrigatórias para cada país. Mas apenas 21.000 pessoas foram distribuídas como parte deste plano, concebido como uma derrogação temporária à regra que confia a responsabilidade pelos pedidos de asilo aos países de entrada na UE.

Após meses de advertências, Polônia e Hungria não haviam recebido nenhum solicitante de asilo até 9 de junho, enquanto a República Tcheca recebeu apenas 12, procedentes da Grécia. Juncker explicou que a Comissão "não teve outra opção a não ser iniciar os procedimentos de infração", mas destacou que "não se trata de sanções", e sim de destacar que as "decisões jurídicas adotadas devem ser aplicadas".

O chanceler húngaro, Peter Szijjarto, chamou o anúncio da Comissão Europeia de "chantagem", enquanto o chefe da diplomacia polonesa, Witold Waszczykowski, o considerou "ilegal". "As cotas não funcionam. Estimulam a imigração ilegal e reduzem a confiança dos cidadãos na UE", escreveu no Twitter o primeiro-ministro tcheco, Bohuslav Sobotka.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.