Trump contra-ataca e se lança contra acusações de conluio com a Rússia

Em sua habitual sequência matinal de mensagens pessoais no Twitter, Trump surpreendeu nesta sexta ao admitir que "estou sendo investigado", embora também tenha chamado a atenção para a forte investida contra ele pelo Departamento de Justiça

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 16/06/2017 13:27

O presidente americano, Donald Trump, abriu nesta sexta-feira uma nova frente de conflito ao se lançar contra o procurador-geral adjunto e o Departamento de Justiça pela polêmica por sua eventual cumplicidade com a Rússia nas eleições do ano passado.



Em sua habitual sequência matinal de mensagens pessoais no Twitter, Trump surpreendeu nesta sexta ao admitir que "estou sendo investigado", embora também tenha chamado a atenção para a forte investida contra ele pelo Departamento de Justiça.

"Estou sendo investigado por demitir o diretor do FBI pelo homem que me disse que deveria demitir o diretor do FBI. Caça às bruxas!", escreveu Trump em uma mensagem que surpreendente e ambígua.

Com seu estilo muito particular, afirmou no Twitter que "após sete meses de investigações e audiências no Congresso sobre meu 'conluio com os russos' ninguém foi capaz de mostrar qualquer prova".

De acordo com o presidente, "apesar da falsa caça às bruxas que acontece nos Estados Unidos, a economia e o emprego estão ótimos. Regulações para baixo, empregos e entusiasmo para cima!".

 

Leia mais notícias em Mundo

 

Trump voltou a mirar na imprensa "de notícias falsas" por sua ativa participação nessa rede social.

"A mídia das notícias falsas detesta quando eu uso o que se tornou uma rede social muito poderosa - mais de 100 milhões de pessoas! Eu consigo contorná-los", manifestou Trump.

Entretanto, a mensagem em que aponta ser investigado provocou uma intensa expectativa nesta sexta-feira.

A mensagem e o seu significado político devem ser vistos no contexto da investigação que até maio era conduzida por James Comey, então diretor do FBI (agência dependente do Departamento de Justiça), e que agora está nas mãos do procurador especial independente, Robert Mueller.

Mensagem surpreendente


A polêmica já levou o procurador-geral, Jeff Sessions, a se declarar impedido de participar desta investigação em qualquer aspecto. Provocou também a desastrosa demissão de Comey e a renúncia do conselheiro de Segurança Nacional de Trump, o general Michael Flynn.

Depois de sua demissão, Comey colocou mais lenha na fogueira ao assegurar que Trump o pressionou para "deixar [Flynn] tranquilo", em um gesto que pode ser interpretado como obstrução da Justiça, um crime grave na legislação americana.

O cenário caótico provocado pela recusa de Sessions e pela demissão de Comey levou o procurador-geral adjunto, Rod Rosenstein, a nomear Mueller como procurador especial, medida tomada unicamente em casos de extrema gravidade ou quando o próprio Departamento de Justiça é incapaz de investigar de forma neutra.

Na quarta-feira, parte da imprensa americana assegurou que Mueller agora estava investigando Trump pela suposta obstrução da Justiça, devido as pressões e posterior demissão de Comey.

Neste quadro, o tuíte de Trump surpreendeu o mundo político por parecer confirmar, pelo próprio presidente, que é objeto de uma investigação na interminável polêmica sobre as relações com a Rússia.

Entretanto, Trump foi ainda mais longe, já que a mensagem aponta diretamente para Rosenstein, que nomeou Mueller à frente da investigação, mas que também escreveu um memorando à Casa Branca recomendando a demissão de Comey.

Trump nomeou Rosenstein para ser procurador-geral adjunto em 31 de janeiro, mas nesta sexta o presidente o acusa de se colocar na liderança de uma "caça às bruxas".
Tags: rússia trump
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.