Forças iraquianas em Mossul pedem rendição de jihadistas do Estado Islâmico

No domingo à noite, helicópteros iraquianos lançaram 500.000 panfletos em Mossul, norte do Iraque e segunda maior cidade do país

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 19/06/2017 07:03 / atualizado em 19/06/2017 09:29

Mossul, Iraque - As forças iraquianas pediram aos civis que permaneçam em suas casas na área antiga de Mossul e exigiram a rendição dos jihadistas nesta segunda-feira, o segundo dia do ataque final para expulsar o grupo Estado Islâmico (EI) de seu último reduto urbano do Iraque.
 
As forças do exército, do Comando Antiterrorista Iraquiano (CTS) e da polícia federal chegaram a entrar por alguns metros na área antiga da cidade, em meio a combates violentos com os jihadistas, afirmou o general Maan al Saadi, um dos comandantes do CTS.

Os combatentes do EI "opõem uma violenta resistência, reforçaram bem as linhas de defesa", declarou à AFP.

No domingo à noite, helicópteros iraquianos lançaram 500.000 panfletos em Mossul, norte do Iraque e segunda maior cidade do país. 

Assinado pelo comandante das operações, Rashid Yarallah, o panfleto anuncia aos moradores "o cerco de todas as partes da cidade antiga de Mossul e o início do ataque" por parte de todas as forças envolvidas na ofensiva.

"Permaneçam afastados dos locais públicos e aproveitem qualquer oportunidade para seguir em direção às forças iraquianas, para evitar que sejam utilizados como escudos humanos", afirma a mensagem. 

De acordo com a ONU, 100.000 civis estão "retidos como escudos humanos" pelos jihadistas na cidade antiga de Mossul.

Situada na margem oeste do rio Tigre, que divide Mossul, esta área é um labirinto de pequenas ruas densamente habitadas, o que que dificulta o avanço dos tanques e faz do uso de armas pesadas um grande risco para os civis. 


"As forças iraquianas estão a ponto de acabar com seu sofrimento. O leste e o oeste de Mossul em breve estarão unidos de novo", afirmaram aos civis.

Para os jihadistas, a mensagem foi a de que eles têm duas opções: "rendição ou morte". 

Apoiadas pelos aviões da coalizão internacional antijihadista liderada por Washington, as forças do exército iraquiano, da CTS e da polícia federal iniciaram no domingo o ataque para retomar a cidade antiga dos extremistas do EI, que permanecem entrincheirados no local. 

Uma reconquista total da cidade antiga permitiria às forças governamentais controlar a totalidade da segunda maior cidade do Iraque, controlada pelos jihadistas desde junho de 2014.

Esta é a última etapa da ampla ofensiva iniciada há oito meses pelas forças iraquianas para expulsar o grupo EI de Mossul. 
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.