Economia argentina demora a decolar

Em mais de um ano de governo Macri, a dívida externa, o desemprego e a pobreza cresceram na país sul-americano

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 07/07/2017 14:14 / atualizado em 07/07/2017 14:19

A economia da Argentina continua com problemas. Nem o pagamento de empréstimos, nem a abertura do câmbio e da economia ajudaram a decolar. Em um ano e meio do governo de Mauricio Macri, a dívida cresceu assim como a pobreza e o desemprego.
 
 
O governo ratificou seu rumo e disse que considera indicadores como o aumento dos créditos hipotecários, da venda de automóveis novos e da receita fiscal, ainda que incluindo a ampliação da base tributária, um alento. 

"Não se chega ao paraíso de um dia pro outro", disse o chefe de Gabinete, Marcos Peña, sobre a situação econômica. "Ainda temos enormes desafios", admitiu.

O governo justificou o ajuste imposto em 2016 como um mal necessário para organizar as contas e atrair investidores. 

Mas a chuva de investimentos não chega - eles, inclusive, caíram pela metade, segundo a Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento (Unctad). 

"Em 18 meses de governo, a Argentina encerrou as restrições cambiárias e pagou a dívida com os 'fundos oportunistas', mas o cenário macroeconômico piorou", disse à AFP o economista e acadêmico Pablo Tigani.


Vagas magras

Desde o ano passado, o consumo vem caindo, abafado por uma inflação que chegou a 10,5% nos cinco primeiros meses de 2017.

Nos últimos 12 meses, o custo de vida subiu 24% no país, segundo a estatística oficial. O Fundo Monetário Internacional (FMI) estimou, em seu último informe, que a marca chegará a 25,6% neste ano.

Para melhorar a economia, o governo reduziu subsídios e até pensões por invalidez foram investigadas. 

Mesmo assim, Macri conserva 40% de aprovação, respaldado pela classe média antikirchnerista.

"A recuperação é mais lenta que o esperado. Os setores 'campeões' da política econômica são o agronegócio e a construção", disse à AFP Matías Carugati, economista chefe da consultoria Management & Fit.

Dívida eterna

"A dívida aumentou em 100 bilhões de dólares, o desemprego subiu de 7% a 9,5% e o PIB caiu 2,5% em 2016. Mesmo se se recuperar nesse ano, teremos voltado ao mesmo lugar, mas com a perda de um terço das exportações", descreveu Tigani.

O banco Morgan manteve sua avaliação da Argentina como um "mercado fronteiriço".

"É um verdadeiro insulto, um país fronteiriço é como um país louco, não usarem sequer emergente, que é um eufemismo para não dizer pobre", lamentou Tigani.

A avaliação ruim surpreendeu o governo que, no dia anterior, havia lançado um inédito bônus do Tesouro a 100 anos a 7,9%, a taxa mais alta para um bônus "eterno".

O ministro de Economia, Nicolás Dujovne, minimiza os riscos do endividamento público do país.

"A Argentina tem uma dívida (com o setor privado) de 26% do PIB, um terço da que têm o Brasil e metade dos países emergentes, então temos que ficar tranquilos", afirmou.

Falta trabalho

Macri vai enfrentar as eleições legislativas em 22 de outubro. Seu maior desafio é manter o bom humor dos argentinos. 

Desde que assumiu, cerca de 11 mil vagas públicas foram encerradas e mais de 200.000 postos no setor privado, fechados, segundo sindicatos. 

Recentemente, uma fábrica da multinacional Pepsico fechou as portas.

"Mandaram 600 trabalhadores para a rua. Não queremos indenização porque, em um ano, não teremos nem o que comer", disse à AFP Camilo Mones, representante da Pepsico.

A pobreza aumentou e afeta um em cada três argentinos. Quase metade das crianças argentinas são pobres, segundo o Fundo da ONU para a Infância (Unicef).
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.