Governo Assad ignora trégua e lança ataque no sul da Síria, diz ONG

O ataque contra Sueida aconteceu cerca de 24 horas depois da entrada em vigor, nessa mesma região, de um cessar-fogo mediado por Rússia, Estados Unidos e Jordânia

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 10/07/2017 11:14

O governo sírio lançou na manhã desta segunda-feira (10/7) um ataque contra rebeldes na província de Sueida, no sul do país, apesar da trégua em vigor - denunciou o Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH).

Um veículo estatal informou que a ofensiva tinha extremistas como alvo. "As forças do regime apoiadas pela Aviação lançaram o ataque contra um setor ao nordeste da cidade de Sueida", afirmou o OSDH, relatando confrontos no terreno entre tropas pró-governo e grupos rebeldes.

O ataque contra Sueida aconteceu cerca de 24 horas depois da entrada em vigor, nessa mesma região, de um cessar-fogo mediado por Rússia, Estados Unidos e Jordânia. A trégua também se aplica às províncias de Deraa e Qouneitra.

Segundo o diretor do Observatório, Rami Abdel Rahmane, os grupos rebeldes tomados como alvo são apoiados pela coalizão internacional dirigida pelos Estados Unidos. Essas forças lutam contra o Estado Islâmico (EI) na Síria e no Iraque.


O governo retomou o controle de várias cidades e colinas no setor, acrescentou Abdel Rahmane. De acordo com a agência oficial síria, os territórios capturados estavam nas mãos do EI. "Nossas forças e aliados capturaram cidades e colinas, depois de terem eliminado um grande número de terroristas do EI", acrescentou a agência.

O OSDH informou ainda que outros episódios violentos foram registrados de forma esporádica nessas últimas 24 horas na província de Deraa. Lá, houve troca de tiros entre rebeldes e forças pró-Assad. Na província de Qouneitra, tiroteios também foram registrados, mas sem deixar vítimas, acrescentou o OSDH.

O cessar-fogo entrou em vigor na véspera do início da sétima rodada de negociações de paz entre o governo de Bashar al-Assad e a oposição, em Genebra.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.