Muçulmanos rejeitam detectores de metal na Esplanada das Mesquitas

Medida foi tomada após um ataque na sexta-feira cometido por três árabes israelenses que mataram dois policiais na Cidade Velha de Jerusalém Oriental

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 17/07/2017 14:20


 
Os muçulmanos se negaram nesta segunda-feira (17/7), seguindo a recomendação das autoridades religiosas palestinas, a visitar a Esplanada das Mesquitas em Jerusalém, em protesto contra a instalação por Israel de detectores de metal nas entradas do local santo.
 
 
O acesso ao terceiro local mais sagrado do Islã, que está no centro do conflito entre Israel e os palestinos, foi fechado pelas autoridades israelenses após um ataque na sexta-feira cometido por três árabes israelenses que mataram dois policiais na Cidade Velha de Jerusalém Oriental.

Finalmente, o local foi reaberto no sábado, sob protesto dos palestinos.

Nesta segunda-feira, assim como aconteceu no domingo, muitos muçulmanos realizaram suas orações ao ar livre, recusando-se a entrar no local passando por detectores de metais.


"Nós rejeitamos as alterações impostas pelo governo israelense", declarou no domingo o xeque Omar Kiswani, diretor da mesquita Al-Aqsa, localizada na Esplanada.

A decisão de fechar a Esplanada indignou os palestinos e reavivou os temores de que Israel assuma o controle exclusivo do local, que também é reverenciado pelos judeus como Monte do Templo.

No total, cinco portas com detectores de metal foram reabertas. "Estamos trabalhando para instalar detectores em todos os acessos", garantiu a polícia israelense.

Em um comunicado conjunto, os movimentos islamitas Hamas e Jihad Islâmica pediram que os palestinos protestem contra as medidas israelenses.

"Exigimos o fim de todas as medidas sionistas e (pedimos) que o governo extremista retire suas mãos da mesquita sagrada de Al-Aqsa", indicam.

No domingo à noite, confrontos foram registrados perto da Esplanada das Mesquitas. Segundo o Crescente Vermelho palestino, 17 pessoas ficaram feridas.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.