Publicidade

Estado de Minas

Incêndios florestais destroem 4 mil hectares no sul da França

Na região de Var (sul), um incêndio florestal declarado perto da famosa estância de Saint-Tropez seguia "extremamente violento e difícil de controlar", de acordo com autoridades locais


postado em 25/07/2017 09:58 / atualizado em 25/07/2017 19:59

Parte do incêndio que consumiu partes de terra no sudeste da França (foto: Anne-Christine Poujoulat / AFP - 25/7/2017)
Parte do incêndio que consumiu partes de terra no sudeste da França (foto: Anne-Christine Poujoulat / AFP - 25/7/2017)


Centenas de bombeiros seguiam lutando nesta terça-feira (25/7) contra vários incêndios florestais no sudeste da França e na ilha da Córsega, que já destruíram 4 mil hectares - informaram as autoridades locais.
 
 
Agravados pelas fortes rajadas de vento, os incêndios obrigaram as autoridades a evacuar os moradores, cujas casas estavam ameaçadas pelas chamas.

A maioria dos incêndios estava, porém, controlada, embora a situação na região de Var (sudeste) continue sendo preocupante.


"A França solicitou dois aviões Canadair no âmbito da ajuda europeia" para conseguir extinguir estes incêndios alimentados pelas fortes rajadas de vento, anunciou à AFP o diretor-geral da Segurança Civil, Jacques Witowski.

Na terça-feira à tarde, um primeiro avião emprestado pela Itália chegou à Córsega, anunciou a prefeitura no Twitter.

No total, 19 aeronaves e mais de 2.000 bombeiros lutam para apagar os incêndios.

De acordo com um boletim provisório fornecido pelas autoridades, as chamas devastaram 1.800 hectares no norte da Córsega, 865 hectares em Luberon, 500 hectares em Croix-Valmer, e 850 em Artigues, a oeste de Var.

Ao menos sete bombeiros tiveram ferimento leves e outro sofreu queimaduras de segundo grau, e 15 policiais foram intoxicados pela fumaça, informaram as autoridades.

O sudeste da França sofre uma severa seca há várias semanas, e os ventos fortes aumentam o risco de uma rápida propagação do incêndio.

Em Saint-Cannat, na região de Marselha, as chamas destruíram 800 hectares, provavelmente por causa de uma ponta de cigarro.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade