Reino Unido estudará impacto econômico de imigrantes europeus

O secretário de Estado de Imigração britânico, Brandon Lewis, declarou nesta quinta que "a liberdade de circulação dos trabalhadores" europeus chegará ao fim após o Brexit

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 27/07/2017 09:12

Londres, Reino Unido - A ministra britânica do Interior, Amber Rudd, anunciou nesta quinta-feira (27/7) a criação de um comitê independente para avaliar o impacto econômico da imigração europeia no Reino Unido e determinar a futura política migratória do país.

O Comitê Consultivo sobre a Migração (MAC, na sigla em inglês) fará "um estudo detalhado da migração proveniente da União Europeia e do Espaço Econômico Europeu nas economias de Inglaterra, Escócia, Gales e Irlanda do Norte", escreve a ministra em artigo publicado pelo jornal britânico "Financial Times".

Rudd é partidária de uma saída moderada da UE, ao contrário de muitos de seus colegas do governo de Theresa May. A ministra disse que não haverá uma "ruptura brutal" em política migratória no que diz respeito aos europeus, deixando em aberto a possibilidade de um período de transição. 


Rudd se alinha, porém, com o discurso do governo que destaca "a oportunidade" de poder voltar a "controlar a imigração" e a fronteira, "em função dos interesses do país".

Segundo o FT, as conclusões do estudo não devem ser anunciadas antes de setembro de 2018, levando a crer que sua influência na negociação entre Londres e Bruxelas será limitada. O chefe negociador da Europa para o Brexit, Michel Barnier, espera alcançar um acordo antes de outubro de 2018.

Já o secretário de Estado de Imigração britânico, Brandon Lewis, declarou nesta quinta que "a liberdade de circulação dos trabalhadores" europeus chegará ao fim após o Brexit. "Somos claros neste ponto", declarou ele à BBC Radio 4, acrescentando que um projeto de lei sobre a imigração será apresentado em 2018 para que as novas regras entrem em vigor ao mesmo tempo em que a saída britânica da UE, em 2019.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.