Oposição anuncia protesto em toda Venezuela após proibição de manifestações

Diante de uma multidão de apoiadores, Maduro reiterou nesta quinta-feira que "chovendo, trovejando ou relampejando, a Constituinte acontecerá", apesar das pressões internas e externas

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 27/07/2017 17:01

A oposição venezuelana estenderá a toda a Venezuela o seu protesto convocado para sexta-feira (28/7) em Caracas, em um desafio aberto ao governo de Nicolás Maduro, que proibiu as manifestações que afetem a votação, no domingo, da Assembleia Constituinte.
 
 
"O regime anunciou que não pode se manifestar. Responderemos com (a) TOMADA DA VENEZUELA amanhã", anunciou a opositora Mesa da Unidade Democrática (MUD), em sua conta do Twitter.

Em outra mensagem, a coalizão opositora afirmou que "as ruas da Venezuela são do povo, não da ditadura", e afirmou que a manifestação é um direito consagrado na Constituição.

Pouco antes, o ministro do Interior, o general Néstor Reverol, havia anunciado que a partir de sexta-feira ficam proibidas as manifestações que prejudiquem a votação e advertiu que quem organizar e fizer atos para interferir nas eleições será punido com "prisão de cinco a 10 anos".

Em um ultimato para que Maduro suspenda a eleição, os opositores preparam para sexta-feira uma grande marcha em Caracas e nesta quinta completa o segundo dia de uma greve de 48 horas, depois de no primeiro dia morrerem tês pessoas. 

O deputado José Antonio Mendoza disse que a decisão da MUD de ampliar o protesto faz parte da convocação feita pela oposição para que a população não reconheça o governo de Maduro e lance mão da desobediência civil.

Diante de uma multidão de apoiadores, Maduro reiterou nesta quinta-feira que "chovendo, trovejando ou relampejando, a Constituinte acontecerá", apesar das pressões internas e externas.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.