Senado dos EUA aprova sanções contra Rússia

A medida coloca o presidente Donald Trump diante do dilema de aplicar as sanções à Rússia, país com o qual queria melhorar as relações, ou assumir o custo político de um veto

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 28/07/2017 00:51

O Senado dos Estados Unidos aprovou nesta quinta-feira, por 98 votos contra dois, um pacote de sanções contra a Rússia, a Coreia do Norte e o Irã, e enviou o texto à Casa Branca para ser promulgado.
 
 
A medida coloca o presidente Donald Trump diante do dilema de aplicar as sanções à Rússia, país com o qual queria melhorar as relações, ou assumir o custo político de um veto.

Países europeus expressaram preocupação pelo impacto econômico das sanções contra Moscou por sua intervenção na última eleição presidencial. 

O texto foi denunciado por Moscou, mas também criticado pela União Europeia, já que permite penalizar as empresas europeias. 

A iniciativa também estabelece novas sanções ao Irã, por terrorismo, e à Coreia do Norte, por seus testes nucleares. 

Os legisladores americanos buscam represálias contra a Rússia depois de uma campanha de desinformação atribuída a Moscou durante a eleição presidencial dos Estados Unidos. 

O consenso é quase total no Congresso, onde Moscou tem poucos apoiadores. Na quinta-feira, a aprovação no Senado foi de 98 votos contra dois, enquanto na Câmara de Representantes a iniciativa obteve 419 votos contra três. 

Trump tenta desde que foi eleito melhorar as relações com a Rússia, para desgosto de muitos legisladores, que veem Moscou mais como rival do que como parceiro. O presidente pode vetar o texto, mas esta seria uma solução de curto prazo com um alto custo político. 

O Congresso poderia, neste caso, derrubar o veto com uma maioria de dois terços. Em geral, os presidentes evitam esse tipo de desgaste, optando por um apoio tardio à legislação. 

O texto também prevê um mecanismo sem precedentes que desagrada a Casa Branca: os legisladores podem ter o direito de intervir se Trump decidir suspender as sanções existentes contra a Rússia.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.