Publicidade

Estado de Minas

Venezuela pagou US$ 30 milhões a Odebrecht por obras inacabadas

A legislação venezuelana permite que a Procuradoria Geral cite alguém como implicado em um suposto crime, mas o Tribunal Supremo determinou que isso só deve ocorrer na presença de um juiz


postado em 01/08/2017 08:40

A procuradora-geral da Venezuela, Luisa Ortega Díaz, disse nesta terça-feira (1/8) que o Ministério Público tem abertas 36.124 investigações por corrupção no país e as que mais preocupam são as que envolvem contratos com a construtora Odebrecht. Luisa disse que os contratos envolvem gastos de US$ 30 milhões em 11 obras inacabadas. 

Há cerca de duas semanas, a procuradora-geral afirmou que o Tribunal Supremo de Justiça do país trata de impedir que se realize a perseguição penal das pessoas envolvidas nas supostas operações irregulares da construtora brasileira Odebrecht no país.

Ela o acusou o principal tribunal do país de proferir uma sentença para "impedir" que o Ministério Público possa exercer a perseguição penal dos envolvidos e que a ação contra ela e a Procuradoria Geral "atenta" contra a independência dos Ministérios Públicos da região.

Em junho, o Supremo abriu um processo contra a procuradora-geral, que tem enfrentado os governistas. A legislação venezuelana permite que a Procuradoria Geral cite alguém como implicado em um suposto crime, mas o Tribunal Supremo determinou que isso só deve ocorrer na presença de um juiz.




Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade