EUA testam míssil após lançamento de projétil norte-coreano

Décadas após a Guerra Fria, os Estados Unidos ainda têm centenas de mísseis intercontinentais espalhados por silos nas partes rurais do país

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 01/08/2017 18:00

Militares americanos conduzirão um teste de um míssil balístico intercontinental (ICBM) desarmado, afirmaram os oficiais nesta terça-feira (1/8), dias após a Coreia do Norte realizar o lançamento de seu próprio projétil.
 
 
Os testes na Base de Vandenberg da Força Aérea, na Califórnia, normalmente são marcados com semanas ou meses de antecedência, mas este será realizado por conta da elevada tensão com a Coreia do Norte pelo lançamento de um ICBM na semana passada.

"A proposta do teste do lançamento de um ICBM é validar e verificar a efetividade, disposição e precisão do sistema de armas", disse em declaração o Comando de Ataque Global da Força Aérea.

O teste do Minuteman III deverá acontecer entre 00H01 e 06H01 da Califórnia desta quarta-feira (04H01 e 10H01 de Brasília).

A Coreia do Norte alarmou a comunidade internacional ao desenvolver um programa de mísseis, e em julho o líder Kim Jong-Un comandou dois testes de um ICBM - primeira vez que demonstrou a capacidade de seus ICBMs.

A primeira destas tentativas, que Kim descreveu como um presente aos "bastardos americanos", mostrou que o míssil tinha potencial de alcançar o Alasca. 

O segundo teste, na semana passada, mostrou que o míssil poderia ir ainda mais longe, fazendo com que alguns especialistas sugerissem que Nova York pode ser atingida.

Décadas após a Guerra Fria, frequentemente esquecida pelas pessoas preocupadas com a ameaça do terrorismo, os Estados Unidos ainda têm centenas de ICBMs Minuteman III espalhados por silos nas partes rurais do país.

Nos próximos 20 anos, a Força Aérea americana alterará completamente a sua frota de Minuteman III com novos mísseis conhecidos como Ground Based Strategic Deterrent (GBSD).
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.