Escola catalã é investigada por incitar o ódio contra filho de guarda civil

Os fatos haviam ocorreram nos dias que seguiram ao referendo de independência de Catalunha de 1º de outubro, no qual agentes da Guarda Civil utilizaram a força contra os eleitores

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 10/10/2017 10:38

Um tribunal anunciou nesta quarta-feira a abertura de diligências contra dois professores e o diretor de uma escola catalã por delito de incitação ao ódio supostamente perpetrado contra o filho de um guarda civil.


Os fatos haviam ocorrido na escola de Seu d'Urgell, nos Pirineus, nos dias que seguiram ao referendo de independência de Catalunha de 1 de outubro, no qual agentes da Guarda Civil utilizaram a força contra os eleitores em vários centros para apreender as urnas.

O tribunal recebeu denúncias dos pais de várias crianças que reportavam "diferentes comentários realizados por professores, assim como atitudes amparadas pelo diretor do indicado centro escolar", afirma o auto judicial, que não disse qual foi o centro escolar por razões de confidencialidade.

"Pode ser que os professores indicados e o diretor do centro educativo incitaram de maneira direta a seus alunos (muito novos)" ao "ódio, à hostilidade e à violência contra os referidos grupos ou associações", disse o auto judicial.

Trata-se do primeiro processo aberto contra um centro escolar catalão por delitos deste tipo.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.