Anarquistas gregos ocupam brevemente embaixada espanhola em Atenas

Dezenove pessoas foram detidas e levadas à sede central da polícia de Atenas. "Não foram reportados danos", segundo uma fonte policial

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 11/10/2017 14:53

Anarquistas gregos ocuparam brevemente, nesta quarta-feira (11/10), a embaixada da Espanha em Atenas em apoio à independência da Catalunha, denunciando a "repressão" nacionalista por parte do governo central de Madri.



Cerca de 20 membros do grupo Rouvikonas entraram na embaixada, aparentemente por uma janela.

Eles lançaram panfletos dentro e na frente do edifício e colocaram um cartaz, enquanto a Polícia cercava o local.

Os panfletos diziam: "o nacionalismo é uma das doenças sociais mais graves, contagiosas e fatais (...). O que aconteceu na Catalunha foi um ataque selvagem para subjugar e humilhar uma maioria social".

Dezenove pessoas foram detidas e levadas à sede central da polícia de Atenas. "Não foram reportados danos", segundo uma fonte policial.

O embaixador da Espanha, Enrique Viguera, se declarou "comocionado e surpreso" com a incursão, em declarações feitas à agência de notícias grega Ana.

Viguera elogiou a "rápida" intervenção da polícia, "que resolveu uma situação complicada", e destacou que o ministro grego das Relações Exteriores, Nikos Kotzias, lhe assegurou todo o apoio e solidariedade.

O grupo Rouvikonas surgiu em 2015 e frequentemente realiza ações similares contra embaixadas e gabinetes governamentais, reivindicando direitos - segundo eles - violados de pessoas, grupos, organizações, regiões e países.

 

Leia mais notícias em Mundo

 

Em setembro, o grupo provocou danos na entrada principal dos escritórios da companhia Turkish Airlines em Atenas, em apoio aos dois professores presos durante o expurgo posterior ao golpe de Estado frustrado contra o governo do presidente Recep Tayyip Erdogan, em julho de 2016.

Com frequência a polícia detém os membros do Rouvikonas enquanto realizam seus atos, mas costumam ser liberados posto que os atingidos não apresentam acusações contra eles.

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.