Guardiola lamenta "dia muito triste para a democracia" na Catalunha

Guardiola lembrou que é importante "não haver violência" nas ruas da Catalunha

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 21/10/2017 18:36

Londres, Reino Unido - O técnico Josep Guardiola, do Manchester City, afirmou que este sábado (21/10) foi "um dia muito triste para a democracia", após o anúncio do governo espanhol de pedir ao Senado a destituição do governo catalão de Carles Puigdemont.

"É um dia muito triste para a democracia. Pensava que isso no século 21 já não aconteceria, mas infelizmente aconteceu", lamentou Guardiola durante a coletiva de imprensa pós-vitória do City sobre o Burnley (3-0), pela 9ª rodada do Campeonato Inglês.

"A única coisa que queríamos era votar (no referendo) e qualquer petição do povo é mais importante que qualquer lei, até mesmo que a Constituição. É um dia muito triste para toda a Europa", continuou. O referendo catalão é visto como ilegal pelo governo de Madri.

Guardiola lembrou que é importante "não haver violência" nas ruas da Catalunha após a decisão do governo espanhol.

Leia mais notícias em Mundo

O presidente do governo espanhol, Mariano Rajoy, anunciou neste sábado que pedirá ao Senado a destituição da totalidade do governo regional catalão, presidido por Carles Puigdemont e seu vice-presidente Oriol Junqueras, e pretende convocar eleições "num período máximo de seis meses a contar da aprovação do texto pelo Senado".

Guardiola está ativamente envolvido na campanha política pela independência da Catalunha. Ex-jogador do Barcelona (1990-2001), comandou como técnico o clube durante sua era mais vitoriosa, entre 2008 e 2012.

Na terça-feira, depois da vitória por 2 a 1 sobre o Napoli, pela Liga dos Campeões, Guardiola dedicou o triunfo a Jordi Sánchez e Jordi Cuixart, líderes separatistas presos por sedição.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.