Puigdemont se nega a depor em Madri e pede para fazê-lo da Bélgica

O presidente catalão destituído e outros 13 antigos membros de seu governo destituído pelas autoridades de Madri foram convocados a prestar depoimento nesta quinta na Audiência Nacional como suspeito de rebelião, sedição e malversação de fundos

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 01/11/2017 16:38

O presidente catalão destituído Carles Puigdemont desobedecerá à convocação da Justiça espanhola para comparecer a um tribunal em Madri na quinta-feira (2/11) e pedirá para ser interrogado da Bélgica, informou nesta quarta (1/11) seu advogado à televisão pública catalã.



"Ele não vai a Madri, e eu sugeri que fosse interrogado aqui na Bélgica. É possível, já tive casos passados, quando o suspeito foi interrogado na Bélgica", declarou o advogado Paul Bekaert, na TV3.

"Já tive no passado casos como este, em que se interroga o suspeito na Bélgica", reforçou Bekaert.

Puigdemont e outros 13 antigos membros de seu governo destituído pelas autoridades de Madri foram convocados a prestar depoimento nesta quinta na Audiência Nacional como suspeito de rebelião, sedição e malversação de fundos, depois que o Parlamento catalão proclamou a independência da região autônoma em 27 de outubro.

Puigdemont, de 54 anos, decidiu ir a Bruxelas, onde na terça-feira (31/10) recebeu jornalistas e afirmou que não há garantias suficientes de que ele terá um julgamento justo. 

 

Leia mais notícias em Mundo

 

Em Bruxelas ele está acompanhado de alguns poucos membros do governo catalão sobre os quais se ignora o que pretendem fazer.

O número dois do Executivo, Oriol Junqueras, informou que irá depor.

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.