Descoberta cavidade do tamanho de um avião na pirâmide de Quéops

A pirâmide, de 139 metros de altura e 230 de largura, fica no complexo de Gizé, próxima ao Cairo, é uma das sete maravilhas do mundo antigo

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 02/11/2017 10:29 / atualizado em 02/11/2017 11:58

Flickr


Há 4.500 anos, a pirâmide de Quéops no Egito, uma das sete maravilhas do mundo antigo, escondia em seu interior uma enorme cavidade, segundo um estudo publicado nesta quinta-feira na revista Nature.

A cavidade é "tão grande como um avião de 200 passageiros no coração da pirâmide", declarou à AFP Mehdi Tayubi, codiretor do projeto ScanPyramids, responsável pela descoberta.
Uma equipe de cientistas egípcios, franceses, canadenses e japoneses trabalha desde o final de 2015 na pirâmide, utilizando tecnologia de ponta não invasiva, que permite observar através dela para descobrir possíveis espaços ou estruturas internas desconhecidas. O objetivo é aprender um pouco mais sobre a construção das pirâmides, que sempre foi cercada de mistérios. 

O monumento, de 139 metros de altura e 230 de largura, fica no complexo de Gizé, próximo do Cairo, perto da Grande Esfinge e das pirâmides de Quéfren e Miquerinos. "Há muitas teorias sobre a existência de possíveis câmaras secretas nas pirâmide. Se juntássemos todas, obteríamos um queijo gruyere", brinca Mehdi Tayubi. "Mas nenhuma delas previa a existência de algo tão grande", completou. 

De acordo com o estudo publicado na Nature, o "big void" (grande vazio), como os cientistas denominam a descoberta, mede pelo menos 30 metros de comprimento e tem características similares às da grande galeria, a maior sala conhecida da pirâmide.

A cavidade se encontra a 40 ou 50 metros da câmara da rainha, no centro do monumento. "O 'grande vazio' está totalmente fechado, nada foi tocado desde a construção da pirâmide. É uma descoberta muito emocionante", disse Kunihiro Morishima, da Universidade de Nagoya no Japão, integrante da missão ScanPyramids.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.
 
Wilson
Wilson - 03 de Novembro às 08:06
Certamente era para o morador não ser importunado por musicas que ele não gostava,