'Viúva negra de Kyoto' é condenada à pena de morte no Japão

O caso Kakehi abalou o Japão com informações de que a mulher liquidou vários de seus companheiros, e a assassina ficou conhecida como "viúva negra

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 07/11/2017 09:43

 Japan OUT / XGTY / AFP / JIJI PRESS / JIJI PRESS / XGTY


Tóquio, Japão -
A septuagenária japonesa acusada de assassinar amantes e maridos conhecida como "viúva negra" foi condenada à morte nesta terça-feira por um tribunal de Kioto, em um caso que sacudiu o Japão. O tribunal distrital de Kioto sentenciou Chisako Kakehi, 70 anos, a ser enforcada pelo assassinato de três homens, incluindo um de seus maridos, e pela tentativa de assassinato de outro, informou um funcionário judicial. 

O caso Kakehi abalou o Japão com informações de que a mulher liquidou vários de seus companheiros, e a assassina ficou conhecida como "viúva negra", em referência à aranha que devora seus machos após o acasalamento. 

Os promotores afirmaram que os homens faleceram depois que a tornaram beneficiária de seus seguros de vida. De acordo com a imprensa, Kakehi utilizou cianureto para matar seus amantes e amealhar uma fortuna de 1 bilhão de ienes (8,8 milhões de dólares) em dez anos. 

Depois ela perdeu a maior parte do dinheiro em operações financeiras equivocadas e em novembro de 2014 foi detida. "A acusada fez com que as vítimas bebessem um composto com cianureto, com intenções homicidas nos quatro casos", disse o juiz Ayako Nakagawa.

O magistrado não aceitou os argumentos da defensa de que Kakehi não poderia ser julgada por sofrer de demência. Kakehi, que não queria testemunhar no início do julgamento em junho, provocou uma grande comoção quando confessou ao tribunal ter assassinado seu quarto marido, em 2013. 

A mulher manteve relações com muitos homens, a maioria idosos ou doentes. De acordo com a imprensa, ela entrava em contato com suas vítimas em sites de relacionamento. Os alvos eram sempre homens ricos e sem filhos. 
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.