Exército sírio cerca última cidade nas mãos do EI

Apoiado por seus aliados, o exército retomou o controle de várias regiões ao redor de Bukamal, na província de Deir Ezzor (leste, fronteira com Iraque), antes de cercá-la totalmente, segundo a SANA

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 08/11/2017 19:22

O exército da Síria cercou, nesta quarta-feira (8/11), a última cidade do país dominada pelo grupo extremista Estado Islâmico, Bukamal, indicou a agência de notícias oficial SANA.



Apoiado por seus aliados, o exército retomou o controle de várias regiões ao redor de Bukamal, na província de Deir Ezzor (leste, fronteira com Iraque), antes de cercá-la totalmente, segundo a SANA.

"As unidades do exército sírio e as forças aliadas estreitaram totalmente o cerco em torno dos ninhos de terroristas em Bukamal e intensificaram as operações para removê-los da cidade", de acordo com a agência.

Após ter retrocedido na província de Deir Ezzor diante da ofensiva do regime e de outra executada por uma coalizão árabe-curda, os extremistas se entrincheiraram em Bukamal, perto da fronteira com o Iraque.

No começo de novembro, o EI tinha perdido a cidade de Deir Ezzor, capital da província homônima e última grande cidade sob controle na Síria e no Iraque. Foi recuperada pelo regime com apoio crucial de aliados russos, iranianos e do Hezbollah libanês.

 

Leia mais notícias em Mundo

 

Apesar de Bukamal ser uma cidade menor que Deir Ezzor, sua retomada privaria o EI da última região urbana de seu "califado", autoproclamado em 2014 nos amplos territórios conquistados entre Iraque e Síria, que agora desaparece.

Apoiadas nas últimas semanas por bombardeios intensos da aviação militar russa, as tropas sírias avançaram para Bukamal do sul e do oeste.

Ao leste, do outro lado da fronteira, forças iraquianas encurralaram o EI em uma zona fronteiriça.

"O avanço em direção de Bukamal começou logo que as tropas e seus aliados, assim como as forças iraquianas, se encontraram na fronteira entre os dois países", relatou a SANA.

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.