Presidente filipino denuncia globalização e fuga de cérebros da Ásia

Mais de dez milhões de filipinos trabalham em outros países, quase 10% da população local

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 09/11/2017 10:39

Hoang Dinh Nam/ AFP


Danang, Vietnã -
O presidente filipino Rodrigo Duterte criticou nesta quinta-feira (9/11), no Vietnã, onde acontece a cúpula anual do Fórum Econômico Ásia-Pacífico (Apec), as consequências negativas da globalização para os países pobres e a fuga de cérebros da região.

"Até certo ponto, a globalização prejudicou as economias pobres", declarou, em um discurso ante um grupo de empresários reunidos na cidade vietnamita.
"Nossos melhores jovens acabam indo para lugares onde a economia é mais próspera, como os Estados Unidos", afirmou polêmico presidente, conhecido por suas críticas virulentas contra esse país.

Mais de dez milhões de filipinos trabalham em outros países, quase 10% da população local. Duterte, cujo país faz parte também da Asean, uma associação de dez países do sudeste asiático, pediu maior integração econômica na região para que os trabalhadores não deixem seus países e assim possam contribuir para a educação de seus conterrâneos.

O foro do Apec, que gera 60% da riqueza mundial, reúne 21 economias do mundo, entre elas os Estados Unidos, China e Rússia, cujos presidentes se reunião a partir desta sexta-feira.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.