Anistia Internacional ataca lei que condena homossexualidade no Egito

No Egito, a homossexualidade não é crime, mas muitos juízes interpretam as leis sobre "libertinagem" e "prostituição" para condenar gays

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 09/11/2017 10:43

Cairo, Egito - A organização Anistia Internacional condenou nesta quarta-feira (8/11) o projeto de lei que tramita no Parlamento do Egito visando criminalizar a homossexualidade, que qualificou de "repressão homofóbica sem precedentes". 

No Egito, a homossexualidade não é crime, mas muitos juízes interpretam as leis sobre "libertinagem" e "prostituição" para condenar gays. 

A nova lei prevê penas de entre um e três anos de prisão para os condenados pela primeira vez, sem  importar se o ato foi público ou privado. Em caso de reincidência, a pena sobe para cinco anos de prisão. 

"Este projeto de lei profundamente discriminatório será um enorme retrocesso para os direitos humanos e representará um tiro de misericórdia nos direitos sexuais no Egito", declarou Najia Bounaim, diretora de campanhas para o Norte da África. 
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.